sábado, 20 de janeiro de 2018

Francisco Vieira
Francisco Vieira*
            
     Após quase uma quarentena de anos de seu falecimento, Garrincha, literalmente ainda vive. 
Suas jogadas irreverentes e dribles desconcertantes permanecem na memória dos brasileiros, principalmente do torcedor do Botafogo, clube onde se projetou e jogou maior parte de sua vida. O botafoguense ainda ostenta com orgulho o seu nome, como o melhor entre seus grandes jogadores e o maior gênio do futebol mundial ao lado de Pelé.
Simples, ingênuo e inexperiente, Manoel Francisco dos Santos ou simplesmente Garrincha, chegou ao Rio vindo da cidade de Pau Grande – RJ, onde nasceu, em 28/10/33. Levado por Araty, jogador do clube, chegou despertando atenção pelo defeito anatômico nos membros inferiores. Contudo, aos vinte anos, depois de rejeitado pelo Vasco, Fluminense e São Cristovão, submeteu-se ao teste no Botafogo, ignorando seu marcador, nada menos do que Nilton Santos, a Enciclopédia do futebol. Sua participação foi o suficiente para convencer o clube de sua contratação, tomando conta da camisa sete e fazendo dela uma referência.   
Devido suas pernas tortas, Garrincha foi alvo de críticas e gracejos. Não foi poupado sequer pelo técnico Gentil Cardoso que ironicamente argumentou: “no Botafogo, aparece de tudo, até aleijado”, comentário que deve ter-lhe custado arrependimento crucial. Jamais imaginaria que aquele moleque, torto e desengonçado, encantaria o mundo e seria aclamado de pé por todas as torcidas. Que formaria com Didi, Amarildo, Quarentinha, Zagalo, Nilton Santos – seu compadre e maior amigo – o melhor time da história do Botafogo e Seleção Brasileira, responsável por importantes conquistas e grandes alegrias a sua fiel e apaixonada torcida.
Garrincha, foi um jogador nato e excepcional na arte de driblar. Habilidoso e genial. Indomável com a bola nos pés envolvia seus marcadores facilmente tornando-os tolos em campo, perdidos, por isso chamados de “João Bobo”. Suas qualidades futebolísticas foram desenvolvidas nos campos de terra batida da periferia e peladas de rua.
Sua trajetória começou de forma brilhante no jogo Botafogo 6 x 3 Bonsucesso e marcando gol. No clube de Gen. Severiano, onde atuou por doze anos, jogou 614 partidas marcando 245 gols, sendo o último na vitória de 1 x 0 contra o Flamengo. No período, participando de um time quase imbatível, Garrincha proporcionou muitas alegrias a torcida botafoguense conquistando em níveis estadual e regional títulos como Torneios Início e Rio- São Paulo, Taça dos Campeões e Campeonato Carioca. No âmbito internacional conquistou torneios no México, Costa Rica, La Paz, etc.
Na Seleção brasileira também teve atuação vitoriosa. Num time formado basicamente por jogadores do Botafogo e Santos, como: Zito, Didi, Vavá, Zagalo, Gilmar, Nilton Santos, Djalma Santos e Pelé, o Brasil ganhou principalmente as Copas do Mundo de 58 e 62, tendo Garrincha jogado 60 partidas e marcado 17 gols, perdendo apenas uma vez com ele em campo. Vestindo a camisa da seleção ao lado de Pelé, o escrete brasileiro nunca foi derrotado.   
Individualmente, Mané Garrincha foi agraciado no Botafogo, como o melhor jogador da Copa Interestadual de Clubes em 1962 e melhor do Campeonato Carioca nos anos de 1957, 61 e 62. Já pela seleção recebeu vários prêmios como: Bola de Ouro da Copa do Mundo da FIFA – 1962 e Seleção de Futebol do Século XX, Integrante da Equipe das Estrelas da Copa do Mundo da FIFA: 1958 e 62. Enfim, em 1998, numa eleição com jornalistas de todo o mundo, Garrincha foi incluído na seleção de todos os tempos da FIFA.
Ainda recebeu importantes homenagens como o documentário Garrincha, Alegria do Povo. No campo literário foi agraciado no poema “O Anjo das Pernas Tortas” de Vinicius de Morais e na obra Estrela Solitária: Um brasileiro chamado Garrincha, onde o autor e jornalista Ruy Castro que relata a verdade sobre o jogador, desde a ascensão até a decadência. 
Se não fora o alcoolismo, seu implacável marcador, o jogador, o gênio, estaria hoje completando 85 anos. Ele, que questionou a medicina com uma distrofia física e duvidou de seus adversários, faleceu em 20/01/1983, vítima de alcoolismo. Seus dribles foram incapazes de vencer seu maior inimigo - o álcool.
Com sua morte aos cinquenta anos, deixou órfã uma família de quinze irmãos, Nair, primeira esposa, com nove filhas, além de Elza, seu grande amor e alguns filhos de outros relacionamentos. Enlutou toda torcida brasileira independente de clubismo. Afinal, Garrincha é de todos, é patrimônio do Brasil, como fora homenageado no carnaval de 1980, pela Mangueira com o enredo Coisas Nossas.
Lamentavelmente o jogador não recebeu da CBF, nem mesmo do Botafogo as devidas honrarias, salvo as manifestações populares, apoio da imprensa e jogadores como Nilton Santos, seu grande amigo.
Desagradável relatar o fim melancólico do lendário craque. Bom mesmo é relembrar seus tempos áureos e tê-lo disponível na memória, garantia de que Garrincha, A Alegria do Povo, O Gênio de Pernas Tortas, ainda vive e viverá.
Pombal, 20 de janeiro de 2018.

*Professor e Escritor pombalense

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Jerdivan Nóbrega de Araujo
Por Jerdivan Nóbrega de Araujo*

José de Almeida Barreto nasceu na cidade de Sousa em 1830. Com 18 anos deixou a cidade e foi para o Rio de Janeiro, então capital do império. Sentou praça como sodado do Exercito no mesmo ano que chegou ao Rio de janeiro, em 1849. De "soldado raso" chegou a Marechal, participando de todos os combates da Guerra do Paraguai, onde foi promovido por bravura a Major. Ferido gravemente em batalha retornou ao Brasil para ser tratado. Logo que melhorou dos ferimentos retornou ao campo de guerra.
Almeida Barreto foi conselheiro de Guerra do império e comandante da Guarda Nacional. Foi o primeiro Paraibano a receber a insígnia de Marechal do exército, sendo promovido em janeiro de 1890. General durante a Proclamação da República foi dos primeiros a se unirem com sua brigada ao general Deodoro da Fonseca
 Em 1891 foi Senador Constituinte como representante da Paraíba, com mandado até 1900, vindo a falecer em 1905 ainda no cargo de Senador reeleito.
O retorno de Almeida Barreto a cidade de Sousa se deu em 1891, 42 anos depois de ter deixado a cidade mantado em um cavalo, com destino a cidade de Macau e de lá para Cabedelo de onde embarcou para no Rio de Janeiro.
A sua vigem de volta a Sousa foi narrada no livro biográfico do Marechal, escrito por Júlio Cesar Leal.
Por todas as localidades que passou o Marechal recebeu homenagens dos coronéis chefes políticos da região. Os que não puderam se deslocar o fizeram através de telegramas, como foi o caso dos presidentes do Rio Grande do Norte, Ceara e Pernambuco.
Da cidade de Sousa onde recebeu as maiores homenagens, entrando na cidade vestido com farda de gala e todas as insígnias que tomavam todo seu peito, o Marechal foi recebido por sua mãe, que não via há 41 anos.
De Sousa a comitiva se dirigiu a cidade de Pombal, chegando a nossa terra no dia 28 de abril de 1891.
Em Pombal a comitiva foi homenageada com queima de fogos na chegada. O Marechal foi recebido por autoridades pombalenses e sousenses, que se dirigiram a cidade para recebê-lo, a exemplo de João Gualberto Gomes de Sá, Major Tibúrcio de Sá, Tenente Coronel Jose Gomes de Sá.   Da cidade estavam presentes para receber a comitiva o promotor de justiça Nóbrega Pinagé, o Vigário Manuel Mariano, os Capitães Francisco de Assis, Lindolpho Vicente de Paula leite, Dr. Galdino Formiga, Antônio Justino de Oliveira filho, Pedro de Sousa, Américo Dantas de Assis, João Alves Torres Bandeira de Assis, João Dantas de Assis ( presidente  da Intendência de Pombal); Joao Leite Ferreira Primo, Enéas Pedro de Sousa, Américo Dantas de Assis, João Alves Torres  Bandeira, Ignácio Fernandes de Almeida. Em Pombal as festividades durante todo o dia e noite com girândolas, banquetes e muitos discursos.
De Pombal o Marechal se dirigiu a cidade de Patos, onde foi recebido por, entre outros, os chefes oligárquicos Major Sizenandro  Sátyro e Miguel Sátyro.
A comitiva ainda foi recebida em Taperoá, Campina Grande, Alagoa grande, Mulungu, Itabaiana e Pilar, voltando ao Rio de Janeiro no dia 05 de junho de 1991.
A despedida se deu na cidade de Cabedelo, onde embarcou de volta ao Rio de Janeiro com os deputados federais Epitácio Pessoa e Sá Andrade e o Senador Firmino da Silveira.

*Escritor e Pesquisador pombalense

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Onaldo Queiroga
Onaldo Queiroga*

2017 passou rápido, imaginem 2018, repleto de eventos. Carnaval em fevereiro, Semana Santa no mês de março, seguida pelas festas de São João no mês de junho e da Copa do Mundo da Russia. Logo em seguida, a campanha eleitoral com eleição para outubro. E chegará novamente o Natal e a festa da virada de mais um ano.
São realmente muitas datas. Contudo, para a travessia desse novo ano é preciso de um lado a esperança de que as chuvas cheguem ao sertão e possam assim espantar a estiagem. Não sou negativista, pelo contrário, sempre vivo com o olhar voltado para a fé de que o inverno, efetivamente, abrace o sertão, o cariri e o agreste, pois se água não cair do céu, a situação será de vaca desconhecer bezerro.
Os grandes mananciais d'água estão quase todos em estado crítico. Se não chover não tem onde buscar água, o que implica dizer que carro pipa e adultoras serão inócuas. O cenário pode ser caótico. É uma visão que preocupa e não vejo planos alternativos para o enfrentamento desse contexto, caso a estiagem se prolongue pelo sétimo ano. Acho que precisamos de mais barragens e, por que não, da desalinização. É claro que devemos nos voltar mais para a preservação a natureza.
A verdade é que o tempo passa e nada de chuva. Vivenciamos uma das maiores secas da nossa história. Jamais imaginei o açude de Coremas com tão pouca água. São problemas seculares. Inegável que deixamos de ter um planejamento eficaz no combate a seca.. A falta não é só de chuva, é educacional, cultural e de compromisso em equacionalizar definitivamente tais questões através de política hídrica capaz de sepultar tais males.
Que venha o inverno, suas águas e o verde das plantações!
*Escritor pombalense e Juiz de Direito em João Pessoa - PB

onaldoqueiroga@oi.com.br

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Severino Coelho Viana
Por Severino Coelho Viana*

A nossa homenagem que prestamos a um líder de caráter, palavra honrada e autêntico médico na expressão conceitual do nosso vernáculo – Dr. ATÊNCIO BEZERRA WANDERLEY, de tradicional núcleo familiar que engrandeceu este torrão árido da Terra de Maringá, justamente, hoje, pelo transcurso de 105 anos de sua data natalícia.
O enigma da existência traça suas linhas de acordo com a lei da natureza, cada um busca alcançar a meta do horizonte delineada pela mão mágica da mãe natureza dando uma dádiva ao casal acolhedor da inocência de um ser humano. O grande presente de uma pérola aureolada foi entregue com um cartão nominal chamado: ATÊNCIO BEZERRA WANDERLEY, no dia 10 de janeiro de 1913, no sito Arruda, Município de Pombal, hoje, pertencente ao Município de Paulista – PB, recebido pelo casal Cel. Josué Bezerra de Sousa e dona Esmerina Bezerra Wanderley. Aquela criança recebia o carinho aconchegante dos pais. E para completar a felicidade de um lar tão grande veio o abraço fraterno dos irmãos: Antônio, Avani, Climene, Nice, Hercílio, Hélio e Quermine.
Nasceu com uma inteligência genial, no entanto, não deixou de viver como as demais crianças as peraltices do seu tempo, apesar de pertencer a uma família abastada, convivia com todas as crianças de classe menos favorecida. Ante esta fase de euforia soube conviver o paradoxo: as cavilações infantis e o futuro que lhe era reservado. Nas coisas simples encontramos o bálsamo da felicidade, pois não há coisa mais bela do viver na zona rural: o andar de roupa rasgada pelos garranchos dos matos a procura de um calango ou o ninho de um passarinho; o puxa-puxa da baleeira com pedras certeiras no papo dos sibitos, pardais ou rolinhas; as carreiras na terra quente, o alívio do calor nos banhos de rios, riachos, cacimbas e açudes; os galopes nos cavalinhos de osso; as figuras montadas com casca de melancia; as temíveis quedas da corrida de jegues. Conjuga-se a tudo isto, antes do deitar, ouvir as anedotas de trancoso e as estórias de assombração que atormentavam o sono de um ser angelical. Isto era o viver típico de toda criança no sertão nordestino daquela época.
As portas do mundo começaram se abrir para a incerta e cruel realidade da vida. O Cel. Josué Bezerra de Sousa, cidadão de boas posses no aspecto financeiro e de um caráter ilibado, não era um homem de cátedra, mas destacava-se como um ferrenho apreciador do saber e das letras.
Naqueles tempos de escassez no campo educacional, efetivamente, por mais boa vontade que os pais tivessem para com os filhos, o ensino e o conhecimento eram a esmeralda rara que todos procuraram e não a encontravam. E onde buscar o mestre ideal que transmitisse os ensinamentos adequados à capacidade do aluno? Ora, não muito longe, a campainha da porta deu o primeiro sinal. Josué Bezerra de Sousa, com pouca instrução de nível primário incompleto, pai do futuro Dr. Atêncio Bezerra Wanderley, foi o seu primeiro professor, cuja didática se restringia à leitura, exercício de escrita e cálculos aritméticos. Depois desta primeira fase, o aluno de raciocínio aguçado descobriu que era autodidata e passou a estudar sozinho no reduto de seu quarto de dormir: aritmética, álgebra, geometria, história do Brasil, geografia, ciências naturais, gramática portuguesa, além das línguas estrangeiras: latim, francês e inglês.
A assimilação do conhecimento natural na época de imaturidade corporificando-se no sítio Arruda fez efervescer a mente do pai, logo matriculando o filho no Instituto Pedagógico, hoje, Colégio Alfredo Dantas, permanecendo neste educandário durante 04 (quatro) anos, deixando incompleto o Curso Comercial. No ano de 1935, seguiu para Recife, matriculando-se no Colégio Salesiano, onde iniciou e concluiu o Curso Ginasial, transferindo, posteriormente, para o Ginásio Pernambucano, onde fez o curso secundário, o atual ensino médio. Após a aprovação no vestibular, ingressou na Faculdade de Medicina de Recife, hoje, Universidade Federal de Pernambuco, e, para a glória de Pombal e honra da Paraíba, concluiu o curso de medicina no dia 15 de dezembro de 1945, destacando-se como um dos melhores alunos da turma.
Logo após a conclusão do curso de medicina, no ano de 1946, retornou à Terra que lhe serviu de berço, a Terra de Maringá, cujo ato marcou a união da carreira vocacional ao ideal de servir. Em 1947, instalou o seu consultório médico, numa modesta casa, situada na rua Cel. João Carneiro – Pombal – PB. No entanto, o seu verdadeiro consultório era o meio da rua, uma casa humilde da periferia da cidade, o casario de um compadre ou amigo, uma choupana no pé de serra ou tapera da zona rural. Atendia a todos, indistintamente, de acordo com a sua paciência e carisma pessoal, em qualquer horário, manhã, tarde, noite ou de madrugada. O meio de transporte era aquele que o momento exigia: jipe, cavalo, canoa ou a pé. Abraçou a medicina com amor, numa época que tudo era obstáculo. Nunca passou pela cabeça ser um médico mercantilista, mas um médico idealista, pois a sua convicção profissional respaldava-se no pensamento literário de Gabriela Mistral: “servir é tarefa das grandes almas”. A sua vida de dedicação, abnegação e amor ao próximo, raízes que estavam fincadas na sua mente desde nascença, petrificou-se na construção do Pai da Medicina, especificamente no Juramento de Hipócrates:

"Eu juro, por Apolo médico, por Esculápio, Hígia e Panacea, e tomo por testemunhas todos os deuses e todas as deusas, cumprir, segundo meu poder e minha razão, a promessa que se segue:
Estimar, tanto quanto a meus pais, aquele que me ensinou esta arte; fazer vida comum e, se necessário for, com ele partilhar meus bens; ter seus filhos por meus próprios irmãos; ensinar-lhes esta arte, se eles tiverem necessidade de aprendê-la, sem remuneração e nem compromisso escrito; fazer participar dos preceitos, das lições e de todo o resto do ensino, meus filhos, os de meu mestre e os discípulos inscritos segundo os regulamentos da profissão, porém, só a estes.
Aplicarei os regimes para o bem do doente segundo o meu poder e entendimento, nunca para causar dano ou mal a alguém.
A ninguém darei por comprazer, nem remédio mortal nem um conselho que induza a perda. Do mesmo modo não darei a nenhuma mulher uma substância abortiva.
Conservarei imaculada minha vida e minha arte.
Não praticarei a talha, mesmo sobre um calculoso confirmado; deixarei essa operação aos práticos que disso cuidam.
Em toda casa, aí entrarei para o bem dos doentes, mantendo-me longe de todo o dano voluntário e de toda a sedução, sobretudo dos prazeres do amor, com as mulheres ou com os homens livres ou escravizados.
Àquilo que no exercício ou fora do exercício da profissão e no convívio da sociedade, eu tiver visto ou ouvido, que não seja preciso divulgar, eu conservarei inteiramente secreto.
Se eu cumprir este juramento com fidelidade, que me seja dado gozar felizmente da vida e da minha profissão, honrado para sempre entre os homens; se eu dele me afastar ou infringir, o contrário aconteça."
O sacerdócio da medicina, no sentido de cuidar da saúde das pessoas, implica renúncia a momentos de sua própria vida para fazer com que tantas outras pessoas possam continuar a viver.
A recompensa da escolha, reconhecida pelo paciente curado e de sua família, percebia no abraço afetuoso, na gratidão das palavras do paciente e no sorriso de alegria estampado no rosto do paciente.
O juramento de Hipócrates já vinha sendo cumprido integral e fielmente, portanto, o aperfeiçoamento deste trabalho de abnegação à causa humana deu-se com o Hospital e Maternidade “Sinhá Carneiro” que abriu as suas portas no ano de 1959, os dois médicos que fizeram tudo em prol da saúde do povo de Pombal, Dr. Avelino Elias de Queiroga e Atêncio Bezerra Wanderley, numa época de pouquíssimos recursos de aparelhamento e tecnologia, não mediram esforços e sacrificaram o viver, cujo ganho financeiro o paciente era quem esboçava:
__ “Deus te pague, doutor!
A solidão já fazia parte na rotina de sua vida, mas tudo chega ao seu tempo, não adianta apressar a água do rio por temeridade aos remansos tenebrosos. A cegueira do amor atiçou o seu coração e burilava a sua mente nas manhãs de neblina, nas tardes de sol causticante e nas noites de céu estrelado. E muito perto encontrou a correspondência da efervescência desse amor. No dia 29 de novembro de 1947, casou-se com Cacilda Medeiros Wanderley. Dessa união matrimonial a árvore genealógica começou a sua ramificação: Marcus Vinicius, matemático, com doutorado na França, Berta Letícia, psicóloga, casada com o Dr. Ugo Ugulino Lopes; Alba Rejane, médica, casada com o Dr. Gilberto Albuquerque Espínola; e Ana Valéria, engenheira mecânica, com doutorado na França, casada com o Dr. Mauro Santana. Os galhos desta árvore se constituem de 07 (sete) netos.
O tripé da existência do Dr. Atêncio Bezerra Wanderley focou-se nos pilares de um idealismo por convicção: dedicação à carreira vocacional, o ideal de servir à coletividade e o amor à causa pública. Destas três virtudes imanentes ao ser humano faltava ser realizada a última aptidão natural que foi o ingresso na carreira política.
A força da natureza proporcionou a união dos amigos/médicos: Avelino Elias de Queiroga e Atêncio Bezerra Wanderley, firmando uma autêntica aliança política de caráter popular. Naqueles velhos tempos, no meio político, o jogo de tabuleiro as pedras se mexiam e davam contornos de divisão e união. Divisão quando houve o rompimento de parte da família Carneiro com Avelino Elias de Queiroga, formando-se a “Ala Garça”. Lembrando que o embrionário da Ala Garça surgiu já na eleição de 1963. No entanto, na eleição de 1968, a declaração de rompimento tornou-se pública e notória com o lançamento do candidato a prefeito – Francisco Juvenil de Assis, conhecido popularmente por Jovem Assis. Por seu turno, Avelino Elias de Queiroga se uniu ao Dr. Atêncio Bezerra Wanderley.
Atêncio Bezerra Wanderley era uma espécie de reserva moral e cultural da cidade. Sabia defender os assuntos com o máximo de polidez, civilidade e com muita ponderação. Homem sério, conduta ilibada, bom administrador. Já eram colegas na área médica, sem o menor atrito ou divergência de ordem pessoal. Dr. Avelino Elias de Queiroga foi hábil e se recompôs muito bem, tornando-o um candidato imbatível. Seguia uma linhagem política de ordem moderada.
Em 1968, em vigor o bipartidarismo com sublegendas, mesmo assim não foi possível a união no seio da congregação política, houve o rompimento da ala avelinista e de parte da família Carneiro. Os aliados avelinistas, cujo partido era o M.D.B. (Movimento Democrático Brasileiro), usando de seu poder de criatividade, apelidaram os carneiros de “ALA GARÇA”, e, consequentemente, chamavam de “Garcianos”. Por seu turno, os carneiros se aliaram aos Pereristas, que pertenciam aos quadros da ARENA (Aliança Renovadora Nacional).
O impasse estava criado. O MDB-1 lançou para Prefeito: Dr. Atêncio Bezerra Wanderley e o vice: Cristóvão Amaro da Silva. O MDB-2 lançou para Prefeito: Epitácio Vieira de Queiroga e o vice: Antônio Olímpio de Queiroga (Totô Olímpio). O outro lado, ou seja, A Arena-1 lançou para Prefeito: Francisco Juvenil de Assis e o vice: Paulo Pereira Vieira. A Arena-2 lançou para Prefeito: Jurandy Urtiga de Queiroga e o vice: Inácio Pereira da Silva.
A eleição transcorreu num verdadeiro clima de festa cívica, salvo alguns discursos contundentes e as paródias políticas. Atêncio Bezerra Wanderley e Cristóvão Amaro da Silva, prefeito e vice-prefeito, respectivamente, foram eleitos com uma maioria de 452 votos pela legenda do M.D.B..
A apuração se dava na Sede Operária, à tardinha, saiu o resultado final. O espaço entre a Usina e a Sede Operária, o povo vibrava de euforia pela vitória obtida. O jipe do Dr. Avelino Elias de Queiroga, sem capota, encostado à escadaria do calçadão da sede, recebia em aplausos os líderes: Avelino Elias de Queiroga, Dep. Janduhy Carneiro e o prefeito eleito, Atêncio Bezerra Wanderley. Avelino pegou o microfone e falou a voz de comando de um líder:
__ A passeata siga em rumo ao meu querido bairro dos Pereiros.
A orquestra entoou os clarins da vitória. Todos aclamando entusiasticamente com as mãos levantadas fazendo o V da vitória.
A passeata passava pela Rua Nova estavam sentados na calçada da casa de Zé Maria as seguintes pessoas: Raphael Carneiro Arnaud, Geraldo Arnaud de Assis, Azuil Arruda de Assis, Hildo Arnaud de Assis, Chateaubriand Arnaud e outros que não nos lembramos. E no jipe, sem capota, vinham Janduhy Carneiro, Avelino Elias de Queiroga e Atêncio Bezerra Wanderley. O Dr. Janduhy Carneiro olhou para a calçada e de cima do jipe cumprimentou os seus parentes que tinham sido seus adversários. O gesto de um grande democrático, o que foi realmente correspondido pelos familiares com os devidos cumprimentos de aceno de mãos.
Atêncio Bezerra Wanderley era um homem público de uma visão além do seu tempo que soube encarnar o espírito de vida pública trazendo como lema o símbolo da honestidade, naqueles idos, (1969 a 1972) implementou e obedecia os atos administrativos com os princípios norteadores da administração pública: legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência, cujo tons somente vieram ser lembrados pelo constituinte de 1988, O Município de Pombal tornou-se pioneiro implantando uma gestão de transparência pública.
Realmente, realizou uma administração voltada para o bem da coletividade, Dr. Atêncio construiu o Centro Administrativo de Educação, no qual instalou a maior biblioteca pública de Pombal, marco que ainda hoje serve aos munícipes. Iniciou a construção do atual prédio que sedia a Prefeitura Municipal de Pombal; edificou e construiu um novo Matadouro Público; reorganizou as finanças pagando todas as dívidas públicas do Município, uma meta que parecia impossível de ser realizada, deixando o Município com total credibilidade. Construiu escolas na sede e na zona rural; saneou os serviços de esgotos; implementou calçamentos nas principais ruas da cidade; melhoramentos nas estradas para diversas localidades e a edificação de uma repetidora de TV, a primeira do sertão paraibano. Criou os símbolos do Município, a Bandeira, com a colaboração do Instituto de Heráldica da Paraíba;
- Organizou a contabilidade pública e pôs em dia as prestações de conta do Poder Munici¬pal;
- Celebrou convênios com o Mobral para o ensino de adultos;
- Contratou médicos e dentistas para atendimento nos postos distritais;
Em sua administração ocorreu à inauguração da BR 230, pelo então Governador do Estado, João Agripino. A estrada asfaltada ligando o Município à Capital e outras cidades mais avançadas trazendo crescimento para o comercio local, o setor agropecuário e a indústria, o que muito facilitou comércio externo, a segurança, a educação e outros interesses afins da população pombalense.
Depois de uma briosa administração no Município de Pombal, a Paraíba o elegeu duas vezes Deputado Estadual (1979 a 1983 e 1983 a 1987), chegando a ser Vice-Presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba, mantendo sempre um desempenho seguro e equilibrado, sem demagogia. Nunca perdeu a compostura, quer na ação parlamentar, quer na ação executiva. Por isso, sempre mereceu o respeito da população. Uma vez que por Pombal ele redimencionou o desenvolvendo deste profícuo trabalho, entregando-se de corpo e alma em defesa da causa pública.
Dr. Atêncio Bezerra Wanderley exerceu diversas atividades nas instituições de nossa cidade e no Estado da Paraíba entre elas:
- A Unidade Sanitária Estadual;
- Secretário da Saúde do Município de João Pessoa-PB;
- O Posto Médico de Puericultura (hoje Escola Municipal Nª Srª do Rosário);
- A Cooperativa do D.N.E.R (Departamento Nacional de Estradas e Rodagens);
-O Hospital e Maternidade Sinhá Carneiro, (trabalhou durante muitos anos, gratuitamente, em razão da natureza filantrópica da Instituição. Instalou, naquele nosocômio um modesto laboratório de análises e um serviço de eletrocardiografia, o primeiro do sertão e do interior do Estado, depois de Campina Grande);

-Foi eleito membro da Academia Paraibana de Medicina (e ocupou a cadeira de Chateaubriand Bandeira de Melo, Médico, Benfeitor e Politico, de São João do Cariri, na referida Academia);
- Serviço de Assistência Médica da Previdência Social (este em Sousa – PB);
- Hospital Alcides Carneiro em Campina Grande –PB;
- Professor de Física e Matemática no Antigo Ginásio Diocesano de Pombal;
- Física e Química no Antigo Colégio Estadual de Pombal, hoje, Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio "Arruda Câmara"; e, ainda, tendo sido o Primeiro do Colégio "Josué Bezerra";
Sócio-fundador do Rotary Club de Pombal.
A nossa amizade e admiração aumentou quando fui Presidente do Rotary Club de Pombal, e, logo pude observar que, sempre que iniciava uma conversa e não concluía, ele retomava o assunto. Certo dia, começamos um diálogo sobre a convocação de uma Assembleia Nacional Constituinte, começamos a divergir em determinados pontos, por exemplo, se a convocação seria geral ou específica. Já exaustiva a conversa, no primeiro andar do prédio, os companheiros se retiraram e nós descemos para o térreo e a discussão continuou na calçada e o horário já batia o relógio da meia noite, num debate pacato, ordeiro e civilizado. Despedimo-nos, quando foi no dia seguinte, por coincidência, Dr. Atêncio estava na fila do banco, e, eu, na condição de gerente, me dirigi ao companheiro Atêncio e disse-lhe que, de acordo com as normas internas bancárias, médico tinha preferência no atendimento. Depois de atendido, tomamos um chá. E ele me falou:
__ Qualquer dia vou lhe convidar para tomar um whisky na minha casa e continuamos o nosso debate sobre a convocação de uma Assembleia Nacional Constituinte!
Pombal orgulha-se de ter tido um filho na estirpe do respeitável médico e de um ser humano de bondoso coração como ATÊNCIO BEZERRA WANDERLEY.
João Pessoa – PB, 10 de janeiro de 2018.

*Escritor pombalense e Promotor de Justiça em João Pessoa

segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

Jerdivan Nóbrega de Araújo
Jerdivan Nóbrega de Araujo*

Afonso Coelho Mouta foi um desses homens que vêem oportunidade tanto na adversidade como na necessidade. Nascido no dia 12 de agosto de 1916, na a cidade de Massapê, Estado do Ceará. Era o segundo de uma prole dos oito filhos de Miguel Coelho Mouta e Maria do Carmo Coelho Mouta. Os outros irmãos eram: Raimunda, Francisco, Maria Geralda, Francisco de Chagas, Firmo, Maria do Socorro e Antônio..
Seu Afonso chegou à Paraíba em 1935, para fixar residência, passando a fazer parte dos quadros de funcionários do E.F.O.C. S atual DNOCS na cidade de Coremas, prestando seus serviços na construção da Barragem Mãe D'Água.
Casou-se no dia sete de setembro, do ano de 1940 com dona Clemilde, fato ocorrido na cidade de S. José de Lagoa Tapada.
Perdeu o emprego do DNOCS, no ano de 1946, quando veio morar em Pombal, a convite de seu cunhado Chiquinho Formiga, o qual ofereceu a sociedade de um “Bar” que havia comprado ao comerciante Pedro Junqueira, localizado à rua Ten. Aurélio Cavalcanti, entre a Farmácia Central e a Movelaria Moderna. Fixou residência com a família à rua Cel. João Leite, antiga Rua do Comércio.
Homem de personalidade marcante foi pai de seis filhos: José Cleonso, Galdino, Geraldo Achile, Maria Afonsilde, Maria Gorete e Maria Clemilde
Em 1951, ainda em sociedade comercial mantida com o cunhado, mudou seus negócios para um prédio onde funcionava as “Casas Bandeiras” comprando uma máquina de fazer sorvete e picolés, passando a ser conhecido pelo apelido de “Joaquim do Picolé”. Foi esta a primeira sorveteria existente na cidade de Pombal
Empreendedor e ativo desfez a sociedade e passou a trabalhar por conta própria, continuando com a sorveteria após adquirir uma nova sorveteria e uma fábrica de gelo.
No período do “Bar Sorveteria” ele transportava o “Bar” para um pequeno clube que funcionava no terreno da Brasil Oiticica onde as festas eram realizadas sendo animado pelo Conjunto regido pelo exímio maestro Manoel de Donária.
Os carnavais se faziam em sua própria Sorveteria, pois não havia energia elétrica na cidade, mas seu Afonso Mouta havia adquirido um Motor com Gerador, fornecendo para diversas casas residenciais de amigos. Foi o primeiro fornecedor de Energia elétrica da cidade de Pombal.
Também foi a primeira residência em Pombal a ser instalada uma linha telefônica, que antes só havia na Brasil Oiticica e na prefeitura.
Afonso Mouta acreditava que as suas atividades se desdobravam para subsistência da família, progresso e bem comum de Pombal que considerava seu torrão natal.
Em 1953 alugou outro prédio, o antigo Hotel de Chico Claro, onde permaneceu até 1954 quando vendeu a Sorveteria, a “Pedão”, que passou apenas três meses sob administração do novo dono.
Em 1954 Afonso Mouta compra uma tipografia que recebeu o nome de “Bom Sucesso” e readquiriu a já citada Sorveteria, a qual ficou até o ano de 1956 quando vendeu para comprar o Cinema ao seu cunhado Chiquinho Formiga, juntamente com as máquinas cinematográficas de 16mms..
Em 1958 resolveu ampliar o “Cine Lux” conseguindo colocar pela primeira vez, Cinemascope em Pombal, que também foi à primeira tela "Cinemascope" em um cinema do interior nordestino
Mereceu aplausos por parte da população, ao tornar realidade este sonho que o fez inaugurar em 19 de dezembro de 1958 com o filme “O Cavaleiro da Távola Redonda” cujo fabuloso elenco era constituído de: Roberto Taylor e Ava Garder.
A sociedade pombalense compareceu em massa a esta exibição cinematográfica, tendo recebido convite especial enviado pelo dinâmico proprietário numa demonstração de “marketing” já quando sequer se sabia o que era isto na região.
O Cine Lux também funcionava como casa de show, trazendo artistas de renome da época como Luiz Gonzaga e Nelson Gonçalves. Entre outros.
O seu empreendedorismo de Afonso Mouta foi reconhecido pelo povo de Pombal, sendo-lhes conferido o Título de Cidadão Pombalense, conforme Projeto de Resolução nº4/62, datado de 25/12/62, de autoria do Vereador José Nicácio Amorim o conhecido Zuza.
Aprovado em votação pelos vereadores:
José Nicácio Amorim
Valdomiro Bandeira de Sousa
Francisco Fernandes de Almeida
Pedro de Castro Formiga
Pacífico Medeiros, tendo como presidente: José Benigno de Sousa – Lelé.
A segunda votação pelos mesmos vereadores aconteceu em 28/12/62.
Promulgada pelo mesmo presidente Lelé, transformada em Lei no dia 04/01/63 ficando Alfonso Coelho Mouta filho da secular cidade de Pombal.
A frente do seu tempo que vivia, Seu Afonso era o único dono de Cinema do sertão da Paraíba a receber as “latas” de filmes através de um raro avião, de propriedade da Sanbra, que pousava no Campo de Aviação da Brasil Oiticica e foi este avião que lhe tirou a vida.
Seu a Afonso Mouta faleceu vítima de acidente numa manhã de 07 de fevereiro de 1964, vitima das hélices do um avião da Brasil Oiticica que, movimentando-se para decolar, o atingiu mortalmente, abreviando a vida deste grande empreendedor da nossa cidade.
Ele chegou a ser socorrido às pressas para o Hospital “Sinhá Carneiro” onde foi submetido a uma cirurgia feita pelo médico Dr. Avelino Elias de Queiroga, não resistindo aos ferimentos, falecendo no dia 08 de fevereiro de 1964.
A cidade de Pombal se comoveu com a prematura morte do Empresário e Pioneiro Afonso Mouta, fundador da primeira sorveteria, primeira fábrica de gelo, do primeiro cinemascope no sertão, primeiro fornecedor de energia elétrica, primeira residência com eletricidade e linha telefônica.
No ano de 1995, a Câmara dos Vereadores de Pombal, através do vereador Francisco Roque Arruda, Fã Arruda, denominou umas das ruas de Pombal com o nome deste grande empreendedor a frente do seu tempo.

*Escritor e pesquisador da nossa história
Evandro da Nóbrega
 - Em algum lugar deste Crazybook (já não estou mais achando onde foi, embora tenha copiado o conteúdo), o Dr. Ramalho Leite me faz a seguinte indagação:
"Evandro amigo, me esclareça. Nas suas memórias, Joacil Pereira afirma que Burity teria lhe telefonado de Brasília anunciando sua própria escolha para governador.Tenho a impressão que há equívoco de Joacil, pois Burity estava em João Pessoa quando foi anunciado. O telefonema pode ter sido sobre a indicação do vice Clóvis Bezerra, pois o anúncio ocorreu depois de um encontro entre Burity e Geisel. Se estou errado, me esclareça pois estou pesquisando sobre o assunto. Abraços, RL".
Vai, agora, uma tentativa de resposta.
FOI DORMIR SACRAMENTADO
Prezzado Dr. Ramalho Leite: Sei que não gosta de textos longos; mas, para se dizer tudo, e com justeza, há que muito se escrever. A seguir, conto-lhe a história como de fato ocorreu.
No fatídico dia da escolha do professor Tarcísio de Miranda Burity como candidato do regime ao Governo da Paraíba, nosso grande amigo Antônio Marques da Silva Mariz (e muita gente boa) foi dormir CONVICTO de que estaria sacramentado Governador - mesmo porque contava com a simpatia e o quase ostensivo apoio de um dos esteios do sistema, o general Golbery do Couto e Silva.
DESLIGADO DA TOMADA
Já tarde da noite, o degas aqui achava-se ainda na Redação de O NORTE, como seu Editor-Geral, e elaborara por último a principal notícia e a manchete de "front page": MARIZ É O GOVERNADOR.
O próprio deputado Antônio Mariz me telefonara de Brasília (DF), por volta de meia-noite, dizendo expressamente: "Evandro, desculpe, já lhe dei todos os últimos detalhes e vou desligar o telefone da parede, pois de outra forma não conseguirei dormir, com tanta gente telefonando".
"PAREM AS ROTATIVAS!"...
Após a meia-noite, as rotativas já iam começar a rodar a edição do jornal com aquele mesmo título (e a matéria ilustrada) dizendo que o escolhido fora o sousense Mariz. De repente, de onde menos esperava, recebo um telefonema do ex-secretário de Educação estadual e ex-chefe de Gabinete da Reitoria da UFPB, o professor de Direito Tarcísio de Miranda Burity:
"Evandro, me dizem aqui que Você fica até tarde aí na Redação de O NORTE. E é por isso que lhe telefono para dar um 'furo', uma matéria exclusiva, que não concedo a ninguém mais: acabo de ser escolhido como candidato da Revolução ao Governo da Paraíba."
O QUE SUSTENTAVA BURITY
Isto não estava nas cogitações de ninguém - pelo menos até onde chegam meus frágeis conhecimentos da matéria política. De modo que respondi ao Dr. Burity que aquilo não era uma brincadeira; que todas as informações vindas de última hora de Brasília apontavam para a escolha de Mariz - que, como se repetiu "ad nauseam", fora "dormir Governador" e acordara na manhã seguinte vendo tudo por água abaixo.
Burity, no entanto, insistiu e disse: "Venha aqui para minha casa, que lhe concedo uma entrevista já como candidato oficial". Chamei o chefe das Oficinas (acho que o Lourival/Lourinho), e lhe disse: "Veja bem, isto é importante. NÃO rode o jornal ainda. Dependendo do que eu ouvir do Dr. Burity, pode ser que tenhamos que mudar a manchete, o texto da notícia principal e a foto da primeira página".
ILUMINAÇÃO FEÉRICA
Peguei o carro e fui à residência do Dr. Burity. Que, por sinal, já estava toda iluminada, em franco clima de festa - FEERICAMENTE iluminada, diria eu, e àquela hora da madrugada. Dona Glauce Burity apresentava-se, como sempre, com todo o seu charme, beleza & elegância natural, atendendo a todos com impecável sorriso.
Sim, porque a residência também estava cheia de gente, especialmente os amigos mais próximos do professor Burity, que já pegara monumental briga comigo, quando Secretário de Educação, por conta de uma série de reportagens que eu mandara fazer sobre "o descalabro em alguns setores educacionais" - mas, depois, se tornara meu grande amigo, quando lhe demonstrei que as matérias NÃO eram dirigidas contra ele, mas em favor da melhoria das escolas no Estado.
DO GENERAL REYNALDO
A Dra. Glauce Burity está entre nós, vivinha da silva, e não me deixará mentir. O que me disse Burity, em resumo, durante a breve entrevista? (Breve, sim, porque lhe disse da urgência de retornar ao jornal para que a edição rodasse em tempo hábil). Disse-me que um amigo dele, o general Reynaldo de Almeida, em quem confiava de olhos fechados, lhe telefonara há coisa de uma hora antes ASSEGURANDO que a escolha recaíra sobre ele, Burity. Pediu, no entanto, que o nome de Reynaldo ficasse em "off", na notícia - notícia espetacular, diga-se "en passant".
O professor não falou sobre os bastidores, mas, claro, deduzi imediatamente que o patrono de Burity fora o ministro José Américo de Almeida, movendo seus palitos sem precisar deixar seu refúgio de "solitário de Tambaú", ali na praia do Cabo Branco. Outros que vivenciaram esses dias terão maiores e melhores detalhes sobre o que ocorreu nas "démarches" brasilienses. É o caso, por exemplo, do Dr. Geraldo Navarro, que por esse tempo assessorava diretamente o general Antônio Bandeira, um dos maiores patronos do nome de Burity, ao lado de Zé Américo.
MUDANDO A MANCHETE DA "FRONT PAGE"
Encerrada a conversa com um Burity extremamente sorridente e satisfeito, retornei à Redação, elaborei novo material e refiz a manchete da primeira página: BURITY É O GOVERNADOR.
Antes, liguei para o telefone (fixo) de Mariz, em Brasília, mas tocou, tocou, tocou até desligar. Fiz isto, por várias vezes, até desistir: Mariz havia mesmo desligado o fone da tomada. Não pôde saber, assim, do que se passava à sua revelia, pensei.
Esperei até que a impressora tirasse os primeiros exemplares, para ter certeza de que aquilo tudo não passava de sonho, pesadelo, fantasmagoria. Porque, no fundo, o degas aqui, embora amigo de Burity, torcia por Mariz. Na vida em jornal, porém, minhas preferências pessoais jamais poderiam influir de jeito-maneira na objetividade do noticiário.

ESPIANDO O QUE DIZIA O "CORREIO"
Ainda naquela madrugada, dirigindo o carro em direção à minha própria residência, para finalmente dormir o sono dos trabalhadores intelectuais exaustos, passei pelo "Correio da Paraíba" e pedi um exemplar do matutino, saído "quentinho do forno", a um dos jornaleiros que aguardavam seus repasses. O distribuidor dos pacotes, funcionário do jornal, que me conhecia bem, atalhou-me: "Pois não, Dr. Evandro! Tome um exemplar! Não precisa pagar!"... Peguei o jornal e, com o coração suspenso, procurei a manchete - e ela rezava justamente ANTÔNIO MARIZ ESCOLHIDO GOVERNADOR - o contrário, o oposto, o antípoda do que dizia a "headline" de O NORTE...
Foi um "furo" e tanto, por parte de O NORTE, em cima de seu principal concorrente, o "Correio da Paraíba". Mas eu, que acabara de anunciar pelo meu jornal que BURITY É O GOVERNADOR, rilhei os dentes, no bom estilo zè-ameriquense: "Como eu queria que o 'Correio' estivesse certo!"...
A TRILOGIA DAS MEMÓRIAS DE JOACIL
O telefonema de Burity para mim não podia ter sido dado "from" Brasília, pela simples e boa razão de que, nesses dia & noite, o emérito professor se achava em João Pessoa. É bem verdade que Burity logo foi convocado a Brasília, para um encontro com o general-presidente Ernesto Geisel, e deve estar correta SUA impressão de que o telefonema dele, de lá, da Capital, para João Pessoa, disse respeito (como Você bem observa) à escolha do deputado Clóvis Bezerra, presidente da Assembleia, como candidato a Vice-Governador, na chapa oficial de Burity.
Já que Você cita as memórias do Dr. Joacil, também devo informar que fui o editor (a convite do Autor, claro) de dois dos livros da TRILOGIA, os primeiros, com as memórias do amigo Joacil de Britto Pereira (ele me pediu para adotar "oficialmente" o novel sobrenome BRITTO com dois Ts, embora originalmente fosse só BRITO; alguns da família não gostaram). E essa informação, num dos livros dele, sobre o telefonema de Burity "a partir de Brasília", deve ter saído no terceiro tomo - que não editei! De
outra forma, teria o degas aqui interferido no texto, pois fui, no episódio, uma espécie de "testemunha ocular da História"... ;-)
Espero que o calhamaço acima tenha ajudado na compreensão de qualquer coisa. "Si non è vero, è ben trovato"... ;-)
Evandro Dantas da Nóbrega,
o veeeelho Druzz de guerra.

*Jornalista e Escritor

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

DE FREJO A ROI COURO: EU ESTIVE LÁ E VOCÊ? 

Jerdivan Nóbrega de Araújo
Jerdivan Nóbrega de Araújo*

A maioria dos cabarés de cidades do interior foi localizado depois da “linha do trem”: em Pombal essa regra não foi diferente. A ideia era aproveitar os caixeiros viajantes que vinham de trem (a estação de Pombal foi inaugurada em 1932) a cidade, oferecendo a estes um lugar para o divertimento, e quanto mais próximo da estação de trem mais fácil seria atrai-los.
Com a passagem da rede férrea, esperava-se que a cidade tomasse um impulso, recebendo comerciantes interessados em se instalar por aqui. Para tanto, era preciso esconder a sua miséria, tangendo os desassistidos para as periferias. Assim foi criado o Código de Postura Municipal em 1936 através do qual a cidade passou por algumas transformações estruturais.
As casas do centro, não apenas as mais humildes eram mal planejadas, conjugadas entre si, e sem janelas laterais, o que prejudicava a ventilação, contribuindo para a proliferação de doenças: foi o que escreveram no Código de Postura.
As edificações que fugiam aos padrões estabelecidos pelo Código de Postura, as quais os proprietários não tinham condições financeiras para reformá-las, foram demolidas mediante a indenização. Outros proprietários preferiram vendê-las, cedendo os terrenos aos mais afortunadas, surgindo nos locais casas modernas com mais janelas e melhor ventilação.
Os antigos proprietários fugiram para as periferias, formando um anel de pobreza em torno da cidade, onde inevitavelmente surgiram os bares, casas de jogos e de prostituição.
Nesse período já existiam na cidade alguns bares que funcionavam como bordéis, de forma discreta, além de casas de prostituição situadas em locais isolados da periferia, isso antes da passagem da linha férrea, a exemplo da Casa de Recurso de Zé Vitalino, que abriu o seu cabaré em mil novecentos e trinta, fechando em mil novecentos e quarenta e sete. Ele antecedeu Love no Casarão da Rua da Rodagem. Love explorou essa atividade no Casarão de mil novecentos e quarenta e sete até mil novecentos e setenta e três.
Havia ainda os cabarés de Mulherzinha, o de Mocinha e o de dona Dodóia.
Com a inauguração da Estação Ferroviária, que passou a ser o principal local de encontro dos jovens da cidade, as casas de prostituições se concentraram mais próximos da rede férrea, com atrações como forró ao vivo e cassinos.
Os seus proprietários passaram a utilizar o trem para recrutar prostitutas de outras regiões, como Crato, Campina Grande e até de Fortaleza, para melhor atender aos caixeiros viajantes que pernoitavam na cidade, vindos nos trens para negociar em Pombal.
O Bairro dos Pereiros, que já existia antes da instalação da linha do trem, era habitado por famílias de operários que, muito embora sofressem preconceitos por residirem nos limites dos cabarés, não tinham nenhuma relação com aquele ambiente.
Depois da seca de mil setecentos e setenta e sete, a cidade foi acometida por uma epidemia do cólera-morbo, vitimando centenas de almas, ao ponto de ser necessário construir um cemitério somente para sepultarem as pessoas vitimadas pela terrível epidemia, que para ali eram levadas em redes, e enterradas em covas rasas, sem cerimoniais ou quaisquer rituais cristãos, o que lhes valeu o nome de Cemitério do Cólera.
As terras daqueles arredores do Cemitério do Cólera eram consideradas malditas e foram completamente abandonadas, já que ninguém se atrevia a violar os escombros, temendo novo surto epidêmico ou, como muitos diziam, por ser um lugar amaldiçoado e de aparições de assombrações. Mas, para quem não tinha onde cair morto, pouco essas histórias lhes interessavam ou lhes amedrontavam. Foi nessas terras insalubres que surgiram os pequenos casebres, que aos poucos se transformaram em casa de recurso, surgindo na sua periferia os cabarés, casas de jogos e bares. Aos poucos, a área mais além do Bairro dos Pereiros passou a ser definida e delimitada como Rua dos Cabarés e, mais tarde, de Rua do Rói-Couro.
Antes da decadência os principais cabarés de Pombal foram os seguintes: Cabaré de Maria do Menino, Cabaré Nega de Côca, Cabaré Mulherzinha, Cabaré Mocinha, Cabaré Dodóia, Tiquinha, Cabaré Palmira, Cabaré de Nomemi Cabaré Chico Novo, Cabaré de Love e Cabaré de Anaia . Nos dias atuais ainda resiste o Cabaré das Casa dos SSolteiros , Cabaré bar das Meninas e o Bataclan.
A denominação Cabaré não era muito utilizada na cidade de Pombal. O nosso povo costumava denominar os bares do baixo meretrício de “Frejo”.
Porém a denominação de “ROI-COURO para cabaré teve origem em nossa cidade, isso na década de 1960.
O batismo foi do Zé Bezerra, bancário escritor autor do livro que deu origem ao filme “Fogo, o Salário da Morte”. Era comum na década de 1960, os frequentadores do “frejo” serem acometidos de doenças venéreas. Dizia-se que muitos deles tinham o couro do pênis corroído de tantas doenças. Dai a associação do lugar ao “ROI-COURO” que é a junção de “roer” mais “couro”
Sabendo que filólogo Aurelio Buarque de Holanda estava prospectando palavras novas para a atualização do seu famoso dicionário, Ze Bezerra, inquieto que era, enviou para o professor o neologismo “RÓI COURO”, que passou a constar no “Aurélio” da seguinte maneira:
“Rói-couro na definição do Dicionário Aurélio
Rói-couro: De roer + couro; var. de rói-coiro) S. m. Bras., PB. Pop. Rua ou bairro onde se localiza o meretrício; zona (Pl.: rói-couros)”
E esse um resumo da história do rói - couro de Pombal

*Escritor e pesquisador pombalense

10 Anos

DEZ ANOS DE BLOG Clemildo Brunet* Para brindar tão glorioso acontecimento, ele acontece juntamente com os duzentos e nove anos de imprensa em nosso país, justamente na semana que intercala as duas datas importantes para os nossos meios de comunicação: 1 de junho – Dia da Imprensa Nacional Brasileira e 7 de Junho Dia da Liberdade de Expressão.

Postagem Destaque

UM HOMEM DAS LETRAS

Nonato Nunes Por Nonato Nunes*  O livro "Memoriais & Legados", do radialista e escritor pombalense Clemildo Brunet de...

Quem sou eu

Minha foto
CLEMILDO BRUNET DE SÁ – Iniciou sua carreira radiofônica em 1961 nas antigas difusoras de Pombal. Em 1966 montou sua própria emissora “A VOZ DA CIDADE”, que teve o seu destaque na formação de muitos profissionais que atuam hoje nos veículos de comunicações como: Rádios, Jornais, TVs e Portais da Web. Em 1968 instalou o serviço de Alto Falantes “LORD AMPLIFICADOR”. Atuou no rádio como: Locutor, redator, comentarista, repórter e noticiarista. Foi correspondente durante dez anos do Jornal Estadual da Rádio Tabajara da Paraíba entre 1980/1990. Ex-diretor comercial das Rádios Maringá AM e Liberdade 96 FM de Pombal. Passando ainda pela Opção 104 FM de Pombal e Rádio Alto Piranhas de Cajazeiras exercendo nesta última, suas atividades jornalísticas nos Programas, Rádio Vivo e Trem das Onze. Foi agraciado com a mais alta honraria da Assembléia Legislativa da Paraíba “A Medalha Epitácio Pessoa”, no dia 10 de junho de 2010. Aposentado, atualmente vem divulgando temáticas sobre o rádio, a cultura e a história de Pombal, em seu Portal CLEMILDO, COMUNICAÇÃO & RÁDIO. Sigam-me no Twitter: http://twitter.com/clemildobrunet

Arquivos do Blog

VISITA DE CORTESIA A PRODUTORA DE VÍDEOS "SALES DANTAS" EM JOÃO PESSOA-PB.

VISITA DE CORTESIA A PRODUTORA DE VÍDEOS "SALES DANTAS" EM JOÃO PESSOA-PB.
CLEMILDO E SALES DANTAS EXIBINDO "O TROFÉU IMPRENSA 2007".

NO RESTAURANTE "CACIOROLLE" EM JOÃO PESSOA.

NO RESTAURANTE "CACIOROLLE" EM JOÃO PESSOA.
ELIEZER GOMES OFERECE LAUTO ALMOÇO AO RADIALISTA CLEMILDO BRUNET E AO CRONISTA ESPORTIVO JOSÉ CARLOS ARAÚJO.

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.
OS RADIALISTAS DA TERRA DE MARINGÁ QUE FORMAM A GRANDE COMISSÃO DA FESTA.

´TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07

´TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07
CERIMONIAL: ADELTON ALVES, LADEADO PELAS PROFESSORAS: DIANA E SONIA.

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.
A GRANDE COMISSÃO COMPOSTA PELOS RADIALISTAS DE POMBAL.

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.
ENTREGA DO CERTIFICADO "PARCEIRO AMIGO DA IMPRENSA" AO REPRESENTANTE DA CASA BORBOREMA.

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07
ALDO NUNES DO SEBRAE RECEBE DAS MÃOS DE CLEMILDO "O TROFÉU IMPRENSA 2007.

SESSÃO SOLENE NA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.

SESSÃO SOLENE NA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.
CLEMILDO EM SEU DISCURSO AGRADECEU AS HOMENAGENS A ELE TRIBUTADAS.

AGRADECIMENTO

Meu querido Clemildo Brunet

Tomei conhecimento por intermédio de minha mãe, Dona Zélia que o nobre Jornalista tinha feito uma homenagem ao meu querido e inesquecível Pai, Cirurgião Dentista e Historiador Wilson Nóbrega Seixas, em seu Blog, de pronto como seu filho mais velho estou lhe enviando esse E-mail agradecendo em nome de minha família as atenções.

Do conterrâneo e amigo,

Antonio Chateaubriand Carneiro Arnaud Seixas

CONGRATULAÇÕES

Clemildo amigo,

Gostei de suas palavras sobre o nosso conterrâneo Paulo Abrantes. Você, como sempre, valorizando os filhos da terra. Abraços para você e para o homenageado.
Carneiro Arnaud

PASTOR CLODOALDO

Querido Clemildo
Agradeço a Deus a oportunidade que me concedeu de conhecer pessoalmente o meu primo Pr Clodoaldo. Os que confiam no Senhor são como águias, renovam-se e revigoram as forças. São ditosos e, asseguram-nos as escrituras, frutuosos todo tempo. As bênçãos de Deus se revelam na longevidade e a misericórdia Dele proporciona-nos ver os filhos dos filhos. No caso aqui , poderei dizer , primo dos primos. Tive o privilégio de conhecer, pessoalmente, o Pr Clodoaldo na ocasião das comemorações do centenário de nascimento do meu saudoso e amado Pai ( Flavio Brunet) . Como foi gratificante para mim, encontrar o Pr Clodoaldo , pois eu só ouvia falar dele. Não me lembro se o conheci quando ele era criança, mas tenho certeza que nunca nos havíamos encontrado. Depois que ele dedicou sua vida ao Ministério, encontrá-lo, como servo de Deus, foi como um refrigério a minha alma.
Lendo seu relato, vi como o Nosso Deus é Misericordioso com aqueles que obedecem a Sua Palavra. Posso imaginar como foi a vida desse homem de Deus que entregou sua vida para proclamação do Evangelho. Sei perfeitamente o quanto é difícil para um missionário iniciar um trabalho!! Mas sei, também, o quanto é agradável fazer a obra de Deus. As dificuldades se sobrepujam ao regozijo das nossas almas. Parabéns, Pr Clodoaldo, por mais um ano de vida dedicado ao serviço do Nosso Senhor Jesus Cristo, levando mensagem de Salvação. Parabéns Clemildo, pelo dom que Deus lhe deu. Você sabe, como ninguém, homenagear as pessoas que lhe são queridas. Um grande Abraço Rose Mary Ramalho Brunet Medeiros.

PARABÉNS PELO CENTENÁRIO DE NASCIMENTO DE FlÀVIO BRUNET DE SÁ

Caro Clemildo,
Moro em São Luís, Ma, e já estive na Paraíba , terra querida do meu pai, que aí nasceu e morou até os dezoito anos, em Catolé do Rocha.Veio muito cedo para o Maranhão e aqui se estabeleceu. Faleceu em 1979, com 68 anos. Ele falava com saudades da sua terra e me fez gostar dela. Por isso, eu amo a Paraíba .
Associo-me às homenagens prestadas in memoriam, ao seu Flávio Brunet que não conheci pessoalmente, mas que admiro e respeito pelos seus feitos em prol da família, da igreja e da comunidade. Aprendi a admirá-lo também pelo amor a ele dedicado pela sua filha Rose Mary,
Parabéns pelas festas do centenário de nascimento desse ilustre paraibano que sem alarde , deixou um legado que se perpetuou nas novas gerações de filhos, netos , sobrinhos e amigos. Ao lado de D. Eunice, de saudosa memória,soube construir um patrimônio irretocável de amor, generosidade, e , sobretudo, de um testemunho de vida que o tempo não vai conseguir apagar.
E a você, de modo especial, toda a minha admiração pelo blog que destaca de forma brilhante essa comemoração. Que ela sirva de inspiração a todos quantos busquem como paradigma aqui na terra, um homem valoroso, trabalhador e temente a Deus. Seu Flávio aqui viveu de modo digno, desempenhando a contento a obra que lhe foi confiada por Deus
Com estima,
Dina Barreto da Silva

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.
CLEMILDO ENTREGA O TROFÉU IMPRENSA AO EMPRESÁRIO GENIVAL TORRES DANTAS EX-INTEGRANTE DO LORD AMPLIFICADOR NA DÉCADA DE 70.

AUSÊNCIA JUSTIFICADA!

Bom dia Clemildo!
Conseguir entrar no seu blog e vir todas as homenagens dedicadas a seu Flávio, mais do que merecido como todos nós sabemos.
Não podemos marcar presença, pois Júlio estava com problema alergico e tive medo de viajar.
Parabéns pelo seu maravilhoso trabalho.
Obrigado
JÚLIO E SÔNIA BRUNET

SESSÃO SOLENE NA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.

SESSÃO SOLENE NA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.
O DESEMBARGADOR RAPHAEL CARNEIRO ARNAUD EM SEU DISCURSO REFERIU-SE AOS RELEVANTES SERVIÇOS PRESTADOS POR CLEMILDO A COMUNICAÇÃO PARAIBANA.

PARABÉNS, PELO BLOG

Elias Medeiros
Estimado Clemildo. Acessei seu blog. Parabéns. Encontramos poucos blogs hoje em dia como o seu. Um blog sério que promove valores (espirituais, familiares, amizades, etc) que muitos blogeiros esqueceram de ressaltar. Parabéns, portanto, pelo blog muito informativo e formativo. Elias e Fokjelina Medeiros

TROFÉU IMPRENSA 2007 NA AABB EM 14-11-07.

TROFÉU IMPRENSA 2007 NA AABB EM 14-11-07.
CLEMILDO CUMPRIMENTA A MADRINHA DOS RADIALISTAS COM UM BEIJO.

COMENTÁRIO: O CENTENÁRIO DE NASCIMENTO DE FLÁVIO BRUNET DE SÁ.

Rivanilda Ramalho de Sá comentou sobre a sua postagem no blog



...tudo que ele faz será bem sucedido. Salmo 1.3 Assim é as coisas que você promove. Foi um evento perfeito organizacionalmente e emocionalmente... Uniu gerações da família...Agradável aos olhos de Deus. Parabéns!

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.

TROFÉU IMPRENSA 2007 AABB DE POMBAL EM 14-11-07.
ACADEMIA DE LETRAS DE POMBAL ENTREGA CERTIFICADO HOMENAGEANDO OS RADIALISTAS DE POMBAL.

SESSÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.

SESSÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.
O JORNALISTA JOÃO COSTA EM SEU DISCURSO ENALTECEU AS QUALIDADES DO HOMENAGEADO!

TROFÉU IMPRENSA 2007 NA AABB DE POMBAL EM 14-11-07.

TROFÉU IMPRENSA 2007 NA AABB DE POMBAL EM 14-11-07.
DONA CESSA MADRINHA DOS RADILISTAS ENTREGA O TROFÉU IMPRENSA AO RADIALISTA CLEMILDO BRUNET.

NOVO CONTADOR DE VISITA INICIADO EM 27/06/12









SESSÂO SOLENE NA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.

SESSÂO SOLENE NA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.
CLEMILDO RECEBEU ESTA PLACA CARACTERIZANDO O RECONHECIMENTO DA CÂMARA DE VEREADORES!

JOÃO LEITE FILHO CUMPRIMENTANDO O RADIALISTA CLEMILDO BRUNET NO MOMENTO DA ENTREGA DA COMENDA.

SESSÃO SOLENE DA CÃMARA MUNICIPAL DE POMBAL NO DIA 14-11-07.

SESSÃO SOLENE DA CÃMARA MUNICIPAL DE POMBAL NO DIA 14-11-07.
CLEMILDO RECEBEU MAIS ESTA COMENDA DAS MÃOS DO PRESIDENTE DA CASA.

MEU PRIMO GOSTARIA QUE VOCÊ POSTASSE A NOSSA GRATIDÃO PELA ORGANIZAÇÃO DA FESTA.

Pensava eu, em prestar uma homenagem ao meu pai, primeiramente agradecendo a Deus o que ele representou para sua família enquanto viveu. Depois queria que a meus filhos e convidados soubessem um pouco mais da vida desse grande homem. Abro aqui um parêntese para dizer, que vivemos no mundo de hoje em que honestidade é sinônimo de desvantagem. As pessoas só querem tirar vantagens uns dos outros sem se importarem do verdadeiro sentido da Vida. O ter é mais importante do que o SER. Sempre vi meu pai, pensando nos outros, nutria suas amizades com aqueles que gostavam não por aqueles que tinham maiores condições de vida. Sempre teve amigos verdadeiros. Voltando agora, dos meus pensamentos sobre meu querido e saudoso pai. Não poderia fazer o que pretendia sem ajuda desse importante comunicador. Clemildo fez o link do meu passado com o presente. Muito Obrigada, dileto primo!!!

Rose.

EMOCIONADA AO VER FAMÍLIA REUNIDA

Fiquei muito emocionada ao ver a família reunida. Agradeci a Deus por estar presente primeiro porque sei o quanto a minha avó Eunice ficaria feliz se viva estivesse; segundo porque considerei um milagre o meu chefe me liberar para viajar, já que havia muito trabalho no gabinete e me surpreendi quando ouvi ele dizer que considerava importante a minha presença no evento.
Não poderia imaginar uma homenagem mais bonita para o meu avô. Agradeço a todos que compareceram, principalmente, ao Pastor Clodoaldo, por ter sido um instrumento de Deus para trazer a mensagem, ao Dr. Clemildo pela organização de reunir todas as informações sobre o ”seu Flavio", aos meus tios Rose e Eli pela iniciativa, amo vocês.
Miriam Brunet

CENTENÁRIO DE NASCIMENTO DE FLÁVIO BRUNET DE SÁ!

Obrigada Clemildo pelo relato das nossas homenagens ao nosso Pai Flavio Brunet de Sá. Agradecemos a Deus, o que papai representou para nós, em vida. Comemoramos os 100 anos de nascimento dele. Esse exemplo de vida merecia ser lembrado até para as pessoas que não tiveram o privilégio de conhecê-lo. Fiquei muito feliz com o que aconteceu naquela noite. Agradeço de coração a todos que compareceram e, de uma forma ou de outra contribuíram para uma noite tão agradável. Uma noite de pura emoção!!! Rose Mary Ramalho Brunet Medeiros.

DOUTOR ATÊNCIO, MEU MÉDICO!

Gostei de ler o brilhante relato sobre a vida do Dr. Atencio. Ele foi o meu médico, nos primeiros meses de meu nascimento. Sempre ouvi a Mamãe e minha babá Raquelzinha falar sobre o Dr Atencio, da sua dedicação como médico. No ano de 2001, encontrei com a D. Cacilda em João Pessoa. Ela me reconhecendo como filha de Flavio Brunet de Sá e Eunice Ramalho Brunet foi logo me falando: “meu marido foi o seu médico". Eu disse que sempre tinha isso na minha lembrança que o Dr Atencio além de ser o meu médico era amigo da nossa família. Rose Mary Ramalho Brunet Medeiros.

DE ROSE MARY RAMALHO BRUNET MEDEIROS, PARA CLEMILDO BRUNET

• Rose Medeiros
Meu primo querido!!! Não tenho palavras para lhe agradecer o seu empenho de organizar e concretizar o meu sonho!!! Fiquei muito gratificada em poder fazer a homenagem para o papai . Ele ainda vive nos nossos corações!!!A fazenda Cajazeiras é tudo que podemos ter para que essa lembrança seja materializada. Fiquei recompensada com as palavras que ouvi ontem sobre o meu pai. Foi tudo o que pensei e idealizei, e isso não seria possivel sem a sua ajuda. Com todo meu carinho sua prima Rose Medeiros
01 DE AGOSTO: HOMENAGEM A CLEMILDO PELO TRANSCURSO DE SEU ANVERSÁRIO!

Deus está sempre contigo
Ele renova o teu coração
Unge os teus pensamentos
Sempre a vida com gratidão

Dar-te força e Coragem
E faz viver com emoção

A vida é sempre bela
Mesmo que haja provação
A Mão de Deus torna singela

Dar a ti felicidade
E a Saúde para viver

Cada momento de tua vida
O amor de Deus te faz sentir
Reinar em ti toda hora
Altivez está em ti
Com o teu dom a disputar
A estrela sempre a brilhar
Os teus anos vem florir

Maria de Lourdes P. de Almeida Araújo

COMENTÁRIO DE WJ.SOLHA

Beleza, meu caro. Alcancei o tempo do Cine Lux ainda de Affonso Mouta, com salas sempre cheias, ainda vejo na memória, o infalível padre Andrade a chegar mancando, vejo uma área reservada a prostitutas, vejo a infalível mãe de Eneida, esposa do colega do BB, Ramiroo, . a bilheteria na curva da esquina. Infelizmente posso dizer que seu Affonso, que mantinha um padrão alto de filmes que projetava, morreu em meu lugar. Ione, minha mulher, estava em Fortaleza, com um problema de saúde e pedi à Brasil Oiticica que, se fosse possível, me desse uma vaga em seu avião que ia semanalmente para lá. Tudo certo, mas, quando chegou o dia, recebi a ligação dizendo que, infelizmente, teriam de levar um motor que precisaria de reparos urgentes, só possíveis no Ceará. Era uma mentira gentil: tinham cedido o lugar a mim prometido para seu Affonso. Que foi tomar o avião e foi sugado pela hélice, que lhe abriu o abdôme. No Cine Lux sofri muito vendo os copiões de O Salário da Morte, um dos rolos completamente desfocado, pelo que tivemos de refilmar tudo de novo.
Quanto ao cinema de Patos, eu me lembro dele com o nome de Eldorado. Indelével porque o cine Eldorado, em Sorocaba, de onde eu viera, era o único cinema que eu jamais frequentara.
Boas lembranças. Bom texto, meu caro.

COMENTÁRIO: DIA DO PROFESSOR.

Prezado Clemildo,

Parabenizo o ilustre colunista, pelo brilhante artigo sobre a origem da data comemorativa 15 de outubro "DIA DO PROFESSOR", acredito que um grande número de colegas nossos, não conhecem o motivo pelo qual comemora-se nesta data. Fico honrado e agradecido (enquanto profissional) pelo encorajamento, incentivo e prestígio que o colunista faz ver ao leitor sobre esse profissional,... Que infelizmente não é reconhecido pelos nossos governantes. Uma prova da falta desse reconhecimento está no embate jurídico sobre o reconhecimento e pagamento do PISO SALARIAL.

Muito obrigado Clemildo, por lembrar dessa figura tão importante na formação dos demais profissionais. O PROFESSOR.

Curimatá(PI), 13 de outubro de 2012

Francisco De Assis Soares

FELICITAÇÔES

Caro amigo Clemildo, você me surpreendeu com o seu encantador artigo que molda parte da minha vida e de meus amigos em Pombal. A sua inteligência lhe acompanha pelos mais recônditos lugares de sua alma. Parabéns meu amigo, não merecia tanto, valeu para relembrar esses bons momentos relatados. Abraço do amigo Paulo Abrantes.

RIACHO DE PRATA: TERCEIRA OBRA LITERÁRIA DE PAULO ABRANTES!

Dr Paulo foi um imenso prazer conhecê-lo pessoalmente e poder ouvi-lo dia 30.09.11 na ocasião da inauguração da Biblioteca da Câmara Municipal de Pombal que leva o nome de nossa Mãe Maria do Bom Sucesso Lacerda Fernandes; com voz mansa e doce, falou com sua simplicidade sobre o evento que estava acontecendo e apresentou sua nova obra a qual fui premiado por vós e que vou lê-lo com muito apreço e depois comentar aqui mesmo neste blog.
Queria agradecê-lo em primeiro lugar, em meu nome e da minha família pela sua presença ao evento e pelo livro a mim presenteado, saiba que a sua amizade com meus pais é sincera e pura como o sentimento de uma criança, há fidelidade mútua e o amor fraternal vos une, extensivamente agora comigo e os meus. Sucesso com esta mais nova obra literária.GRAÇA E PAZ, AMÉM.
JUNIOR BOM SUCESSO
PATOS PB, 01.10.2011.

MARINGÁ: ...FICOU SENDO A RETIRANTE QUE MAIS DAVA O QUE FALÁ...

Meu caro Clemildo:
Histórias sobre Maringá sempre povoaram o imaginário de toda gente de Pombal ao longo do tempo, alimentando o desejo de desvendar essa história. No caso presente, Jerdivan Nóbrega, meu escritor predileto, traz á tona êste palpitante tema, no seu encantador romance, "A Saga da Cabocla Maringá", apresentando como nunca vi igual, uma idéia literária que empolga e gera tanta expectativa no seio da sociedade pombalense. Porquê popularmente a Maria do Ingá ,ou seja, "Maringá", é um hino de amor, é uma canção de louvor a nossa terra, é um idílio que não gostaríamos que tivesse sido interrompido, é afinal uma história, um desfecho que tinha de ser contado, e Jerdivan fez e fez muito bem. Clemildo você está como Jerdivan, cada vez melhor, acertando no alvo que o povo de nossa terra quer saber.
"A Saga da Cabocla Maringá", de Jerdivan Nóbrega de Araújo, é uma obra muito interessante, cuja magia está no enredo e na simplicidade de linguagem utilizada pelo autor em todos os momentos. È um livro que deve ser lido por todos. Parabéns a ambos.
Paulo Abrantes é engenheiro civil e escritor pombalense.

Olá Clemildo Brunet. Bom dia!
Beleza mesmo. Isso precisa ser acessado por todos os pombalenses. É cultura.
José Haroldo.

Caro amigo Clemildo:
Como é bom constatar o carinho que vocês têm por Pombal. Faz bem para a gente e serve de exemplo. Certamente "A SAGA DA CABOCLA MARINGÁ" terá grande aceitação e já que o autor é seu amigo torço pelo sucesso dele.
Um abraço bem grande Clemildo.
Ubiratan. Curitiba PR.

CARÍSSIMO CLEMILDO.
Confesso, gostei imensamente do seu comentário sobre “A SAGA DA CABOCLA MARINGÁ”, o mais recente livro do conceituado escritor pombalense Jerdivan Nóbrega.
A partir do título bastante sugestivo e oportuno você foi muito feliz na peça discursiva. Admiro seu elevado discernimento e a facilidade com que discorre o conteúdo da obra direcionando seus aspectos para os diversos lados.
Seu comentário é, portanto, uma sinopse da obra que por si só já nasceu grande, graças ao reconhecido talento literário do seu autor, do qual sou admirador.
Se hoje a Lenda de Maringá passou da canção para o livro, quem sabe amanhã seja encenada e exibida por esse Brasil afora. Seria a perpetuação de uma história que nasceu para sempre.
Enfim, este é o comentário que gostaria de ter feito.
Parabéns com louvores.
Prof. Francisco Vieira.

POMBAL, SEMPRE POMBAL
Caro Amigo e Conterrâneo,
Clemildo Brunet.
Essa história da cabocla Maringá se arrasta por muito tempo. Eu era criança pequena nos arredores de Pombal e ouvia falar de histórias e estórias da retirante. Quando surgiu a música, ela mexia com a sensibilidade de muitos idosos daquela época. Homens e mulheres se manifestavam: "como é 'penosa' essa história"!
Mas ninguém se propunha a desvendar o mistério que até hoje permanece rondando por essas cercanias. O nosso grande Ruy Carneiro, talvez tenha mantido um amor proibido. Proibido, dada a diferença de classe. Ele não foi o primeiro a frustrar-se em ocasiões tais.
Conta-se, por aí, que dois irmãos originários de classe média, conheceram duas irmãs de classe menos favorecida e mantiveram um amor proibido, até que chegou ao conhecimento do público. A mãe dos rapazes lhes pediu que não casassem com aquelas moças porque não faziam futuro nenhum. Eles a obedeceram, mas na seguinte condição: Um não poria mais os pés no chão de Pombal; o outro, resolveu abraçar a vida celibatária.O caritó, para as mulheres. Assim fizeram.
Quando ela, a mamãe, adoeceu eles vierem visitá-la. Um pediu que o levassem nos braços, porque não pisaria mais nessa terra, pois assim jurara. Assim cumpriu o seu pretexto. O outro,cumpriu o propósito de não mais se casar, foi servir na Polícia Militar do Estado do Parahyba,lutou na "Revolução de Princesa", obteve uma carreira bem sucedida, no Quadro de Oficiais. E, na reserva, chegou a ser Prefeito de Pombal. E muito trabalhou pelo Município. Fez o Distrito de Paulista tomar um impulso nunca visto.
Agora, advinhe quem foram eles...
Cansei de ouvir contar essa história, quando ainda menino de calças curtas.
Forte Abraço - JOSÉ SANTOS DINIZ

Prezado amigo Clemildo Brunet:
Fiquei feliz em reencontrar você em plena movimentação cultural, escrevendo sobre a "Cabocla Maringá", um blogueiro de primeira categoria. Quero dizer a você que o site do "Caldeirão Político" www.portalcaldeiraopolitico.net está aqui as suas ordens.
Você já leu o seu artigo "DA CANÇÃO PARA O LIVRO - A SAGA DA CABOCLA MARINGÁ", já inserido no nosso site? Quero continuar transcrevendo os seus artigos. Pode encaminhá-los. Como também outras notícias de Pombal.
CHICO CARDOSO

Olá meu amigo!
Essa história da existencia em corpo e alma da cabocla Maringá, bem como a sua presença nas terras de Pombal, deixou-me encafifado por muito tempo. Busquei vesitigios da sua presença onde pudesse encontra-lo, Li a obra de Jose Gregorio que narra os principais acontecimentos de Pombal, exato no tempo que possivelmente a Cabocla poderia estar entre nós. Nada, nenhuma referencia àquela fascinante mulher. Conversei a exaustão com a minha Mãe, por sinal da mesma idade de Ruy. Amigos de infancia e adolescencia, estudaram juntos, por isso firmaram uma amizade que terminou com a morte de ambos. Minha Mãe dizia que esta mulher jamais existiu em Pombal. Em sendo Maringá dotada de uma beleza singular, com certeza a sua presença no lugar teria chamado atenção das moças da época. A única paixão de Ruy em Pombal, foi uma prima de minha Mãe cujo nome era Ana Dantas de Alencar ou Nina, na intimidade da familia. Afora essa moça, não há registro de que Ruy tenha namorado outra moça.com os supostos dotes fisicos de Maringá. Em resumo, Maringá nasceu no rio de Janeiro, Não tem Mãé, só tem pai cujo nome é Joubert de Carvalho. O resto é lenda e nada mais. Jerdivan, na construção da sua obra, sabiamente manteve essa questão fora da trama, com certeza para evitar questionamentos infrutiferos que podem desviar atenção da riqueza criativa e essencia do seu livro. Abraços Ignacio Tavares

COMENTÁRIOS SOBRE O LIVRO "RIACHO DE PRATA"

Distinto amigo Paulo Abrantes.
Li Riacho de Prata.Sua literatura é empolgante, sobretudo percebo tratar-se também, de um excepcional DOCUMENTÁRIO HISTÓRICO sobre a sua terra natal - POMBAL, em detalhes de um colorido fantástico, num reflexo de sentimento familiar, social, tudo ornamentado por um paisagismo impressionante. Sinto-me diante duma leitura amena, que conforta a alma e o espírito, trazendo ao leitor mavioso recreio, que, neste vendaval turbulento que ora vivemos, é a meu ver, um caleidoscópio oriental dos velhos tempos que se foram, revestidos de humanidade e ternura, valores que não já não vemos mais, tão frequentemente.
Do companheiro-alado, velejando no mundo da nossa internet.
MILTON ALVES
Auditor da Receita Federal.

Prezado Paulo Abrantes,
Venho agradecer pelo envio do livro "Riacho de Prata - Crônicas & Contos", de sua autoria.
Parabéns pela idéia de homenagear a sua terra natal, Pombal, incluindo além de seus próprios textos, os de outros conterrâneos.
Cumprimento-lhe ainda por proporcionar aos leitores essa "viagem" que remonta às origens e revivem na memória lembranças de momentos inesquecíveis, em sua vida, e certamente na de muitos pombalenses.
Atenciosamente,
Roberto CavalcanteCorreio da Paraiba

Como foi bom ler seu livro, Paulo Abrantes! Foi como se visitasse Pombal, mas não agora, e sim à época em que vivi lá, de 63 a 70! Quanta gente daquele tempo me veio à memória! Quanto riacho revivi, no seu texto gostoso, "em desabalada correnteza, ecoando um estalar de troncos e ramos partidos"!
Como foi bom saber que Nena Queiroga, que me encantou tanto com sua tranquila elegância, seus livros e suas viagens à Europa, também encantou você. Não sabia que ela ensinava religião!
E como foi gostoso ler o que você escreveu sobre a Rua Estreita, onde vivi a primeira cena do filme O Salário da Morte, na qual enchi a velha porta da farmácia do Epitácio com cinco buracos do que deveriam ser balas de festim!
Mas bom, mesmo, é o texto que v. produziu sobre A Rua Estreita, um desfile de personagens fabulosos, como seu Zé de Duca e a quebra de resguardo da mulher por conta de um lobisomem; como seu Hormídio puxando a gaveta para dela tirar o catálogo homeopático, com que curaria a pobre senhora; com o transe do espírita Generino, com a pregação de Pedro Marcelino!
Sucesso pra você e seu livro, meu caro!
W.J.Solha.

COMENTÁRIO SOBRE O TEXTO PIANCÓ: QUEM VAI CUIDAR DO NOSSO RIO?

Meu caro Clemildo, Pombal tem essa felicidade de ter filhos como você, filho que relata e traz guardado no peito uma história que agrada e reacende as lembranças de nosso tempo de banhos neste rio abençoado de tantas gerações. Obrigado pelas referências, este texto escrevi em momento de inspiração e de saudade. Um abraço fraternal, Paulo Abrantes

COMENTÁRIO SOBRE A POSTAGEM "Dr. Avelino, o médico: Uma das maiores lideranças Políticas de Pombal

Clemildo amigo,
Inicialmente os agradecimentos pela parte que me coube como médico filho de Pombal. Em seguida, parabéns pela homenagem feita ao Dr. Avelino. Abraços Carneiro Arnaud

Amigo Clemildo.
Além de brilhante, sua ideia foi por demais oportuna em homenagear a classe médica na pessoa do saudoso Dr. Avelino Elias de Queiroga.
Homenageando o inesquecível "Bolinha", você está resgatando com muita justiça um dos maiores expoentes de nossa história. Sua contribuição foi imensurável para com a nossa terra, não apenas como médico e político, mais sobretudo, como amigo, qualidades que lhe constituíram como um dos maiores líderes populares de Pombal e região.
Parabéns.
Abraços: Prof. Francisco Vieira.

POMBALENSES SAEM AS RUAS PARA VER A SUPER LUA

POMBALENSES SAEM AS RUAS PARA VER A SUPER LUA

FOTO DO ENCONTRO

FOTO DO ENCONTRO
EU E ROBSON PIRES

VISITA DE CORTESIA A RURAL AM E FM DE CAICÓ RN.

VISITA DE CORTESIA A RURAL AM E FM DE CAICÓ RN.
Visita de Clemildo a Rádio Rural 95 FM em Caicó. Na foto com Clemildo os comunicadores Ronyson Nery e Yanny Danniely.
Tecnologia do Blogger.

CLEMILDO FAZ VISITA DE CORTESIA A COLEGA DE PROFISSÃO EM CAICÓ RN.

Nesta quarta feira dia (02), estive na Rádio Rural de Caicó, ocasião em que visitei o colega Robson Pires (pombalense), que apresenta o Grande Jornal Rural da emissora; fiz-lhe o convite para prestigiar a solenidade da entrega da Medalha Epitácio Pessoa. "Conheci o Robson menino nas ruas de Pombal, ele tinha o apelido de Pelé e eu costumava dizer é o único Pelé branco. Hoje em Caicó ele é temido por suas reportagens e conhecido como o Xerife do Rio Grande do Norte"

POMBALENSE ASSISTE PELA TV ASSEMBLÉIA, SESSÃO ESPECIAL DA MEDALHA EPITÁCIO PESSOA.

Prezado Clemildo:
Impossibilitado de comparecer à Assembléia Legislativa para prestigiar o Ilustre conterrâneo no ato de recebimento da merecida Comenda, quando todos que o conhece, ficamos felicíssimos, venho, embora tardiamente, mas, nunca é tarde para recolher o seu grande valor, como profissional, como ser humano.
Submeti-me a uma cirurgia oftalmológica, mas fiz questão de ligar para o colega que me operou para que liberasse e fui liberado para assistir pela TV Assembléia, a tão honrosa Sessão Especial, ao lado de meu querido pai, aposentado dos Correios e Telégrafos, que com muito orgulho também prestigiou o filho do saudoso Seu Napoleão grande amigo dele.
Como médico orgulha-me de ser pombalense e de ter presenciado boa parte da sua crescente trajetória profissional no rádio.
PARABENS CLEMILDO BRUNET. DEUS CONTINUE TE ABENÇOANDO.
MANOEL ANGELO FILHO

AGRADECIMENTO!

Caro amigo Clemildo:
Agradeço sensibilizado pelos cumprimentos enviados na passagem do meu aniversário.
O tempo passa depressa e a gente nem sente. Eu sou muito grato a Deus pela longa vida que me deu, pela família com que me brindou e pelos amigos com os quais fui presenteado e entre os quais você se destaca.
Muito obrigado pela carinhosa homenagem, desejo a você e seus familiares um Feliz Natal e de um Ano Novo de muitas alegrias com as bênçãos de Deus.
Um grande abraço.
Ubiratan.

JORNAL "ALTO SERTÃO" DEZEMBRO/2014

JORNAL "ALTO SERTÃO" DEZEMBRO/2014
JORNAL "ALTO SERTÃO" EDIÇÃO ESPECIAL DE FIM DE ANO

CONDOLÊNCIAS

A passagem para o Oriente Eterno do Irmão Francisco Fernandes da Silva, conhecido por Bibia, esposo de Dona Cessa poetisa pombalense falecida a um ano, foi uma grande perca para a Maçonaria brasileira e para a nossa Pombal. Aos seus Familiares manifetamos sentimentos de pêsames rogando ao GRANDE ARQUITETO DO UNIVERSO que os iluminem e guarde para sempre. Alberto Salgado Bandeira e Fátima Bandeira

Caro amigo Clemildo!

Ao ler no seu conceituado Blog a noticia da morte do amigo Bibia, confesso que fiquei confuso por algum instante. Logo Bibia? Perguntei-me. É isso mesmo, ninguém pode fugir dos ataques traiçoeiros da maldita morte. Sem querer desmerecer os demais amigos e amigas, aqui em Pombal, dois casais de amigos faziam a diferença para mim: refiro-me ao compadre Belino e comadre Lili, ambos de saudosa memória e a Bibia e Cessa. Quantas e quantas vezes a gente se reunia lá na casa do alto para jogarmos conversa fora! Depois do falecimento de Belino e Lili, restaram-me Cessa e Bibia. E agora? Ora, só me resta preservar na memória os bons momentos de convivência harmoniosa que mantivemos por dezenas de anos. Bibia, peço ao Senhor Jesus que lhe dê a paz e a felicidade que você sempre desejou em vida. Ademais, tenho certeza de que o seu encontro com a sua amada Cessa será comemorado com grande festa patrocinada por todos os amigos que estão na eternidade. Aos filhos e netos desse belo casal que Deus reclamou, desejo-lhes muita paz e conforto, pois vale a pena lembrar que morte não é o fim, é apenas uma passagem de uma vida para outra, Aceitem todos meus sentimentos.
Ignácio Tavares

DE UBIRATAN LUSTOSA: RECEBI O LIVRO

Ubiratan Lustosa
Para CLEMILDO BRUNET
De:
Ubiratan Lustosa (ulustosa@ulustosa.com)
Enviada:
sábado, 29 de outubro de 2011 19:02:10
Para:
CLEMILDO BRUNET (brunetcomunicador@hotmail.com)
Olá, amigo Clemildo.

Recebi o livro "Riacho de Prata", de autoria do seu amigo Paulo Abrantes, e agradeço a sua gentileza de me enviar esse presente. Na primeira folheada já percebi que vou saber mais sobre a sua Pombal querida e isso me trará muita alegria. Por coincidência, gravei meu programa na quarta-feira, para ser apresentado domingo, e nele estará a música "Maringá", com Carlos Galhardo. Aproveitei para lhe mandar um abraço.
Renovo meus agradecimentos e envio um grande abraços a você, pedindo que seja extensivo ao autor Paulo Abrantes.
Ubiratan.
Curitiba - PR.
LINK: http://www.e-parana.pr.gov.br/modules/programacao/radioam_ao_vivo.php
DO PROGRAMA DE UBIRATAN, APRESENTADO ÀS 6 HORAS DA MANHÃ DOS DOMINGOS (NOSSO HORÁRIO).

SESSÃO SOLENE DA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.

SESSÃO SOLENE DA CÂMARA MUNICIPAL DE POMBAL EM 14-11-07.
EM SEU DISCURSO CLEMILDO FEZ UM RELATO HISTÓRICO DA RADIOFONIA POMBALENSE E LEMBROU VELHOS COMPANHEIROS!

COMENTÁRIOS: A EVIDÊNCIA DA MÚSICA BREGA...

Clemildo Brunet,
Sua matéria publicada sobre o BREGA é excelente e muito oportuna e irá contribuir para a aprovação do Projeto de Lei.
José de Sousa Dantas -Poeta e Escritor pombalense.

Adilson Ribeiro
clemildo brunet, parabéns pela matéria sobre o brega. As vezes eu acho que se Elvis presley fosse brasileiro, ele não passaria de um cantor de brega. Então eu só quero dizer que nao adianta fugir, qualquer cantor brasileiro é brega. Não pense que... Caetano Veloso é menos brega do que Waldick. A América, a Europa, nao gostam de brasileiros. Porque o próprio brasileiro não se gosta, quer ser americano de qualquer jeito. Ver se lá em nova york, tem alguma frase em portugues. Aqui no Brasil é pit stop, personal trainer, as propagandas de produtos é quase tudo em inglês. Temos que nos valorizar. Um cantorzão como o Nilton Cesar, se fosse americano, era o rei de qual coisa. Porque o americano se ama e ama seus idolos. Parabéns ao nobre deputado Tião Gomes, que dê certo sua iniciativa em relação ao brega.
Adilson Ribeiro - Cantor e Compositor.
Ananindeua, Brazil.

POSE PARA FOTO APÓS COLETIVA.

POSE PARA FOTO APÓS COLETIVA.
Radialista Clemildo Brunet ladeado pelo Vice Geraldinho e a Prefeita Polyana.

POSE PARA FOTO IMPRENSA, POLYANA E GERALDINHO

POSE PARA FOTO IMPRENSA, POLYANA E GERALDINHO

TIBURTINO GOMES DE SÁ: SEGUIDOR DO BLOG COM MUITA HONRA!

Seu blog, meu caro primo Clemildo é muito profundo e de muito conhecimento, próprio da família, que diz - "Sá quando não é inteligente demais é 'doido'" Brincadeira. Já sou seu seguidor com muita honra. Mais tarde estarei fazendo um "tourner" pelo blog! Saudações primo!
Sousa,11/10/2011
Tiburtino Gomes de Sá

É ASSIM QUE SE FAZ CIDADANIA

Caro amigo Clemildo.
O seu Portal está maravilhoso. Uma homenagem bem merecida. Os paraibanos reconhecem o seu valor, especialmente os pombalenses. É assim que se faz cidadania. É demonstrando amor pela terra onde nasceu. Patriotismo, por que não dizer. São valores que jamais a História de Pombal os excluirá de suas páginas. Você está de parabéns. Sinto-me feliz quando vejo um conterrâneo trazer ao conhecimento público o retrato falado do nosso Município, como pioneiro do Sertão Paraibano. Portanto, volto a dizer: Você merece mais do que a homenagem que lhe foi prestada pelo Poder Legislativo do Nosso Estado.
Forte Abraço.
José Santos DINIZ.

COMENTÁRIO DO DR. ELISEU JOSÉ DE MELO NETO NO FACEBOOK

Eliseu José De Melo NetoClemildo Brunet de Sá Agradeço muito. Você fez a minha biografia com muita precisão. Detalhes da minha vida que até por mim passava desapercebido, você publicou com precisão. Parece que teve ajuda de alguém muito próximo. Foi muito real. Felicidades! E muita saúde para você, que considero como um dos meus grandes amigos!
O RÁDIO AINDA É O MAIOR MEIO DE COMUNICAÇÃO!

FAZENDA RAMADINHA

FAZENDA RAMADINHA
4 JANEIRO 2009

JORNAL "ALTO SERTÃO" OUTUBRO 2014

JORNAL "ALTO SERTÃO" OUTUBRO 2014
JORNAL "ALTO SERTÃO" EDIÇÃO ESPECIAL FESTA DO ROSÁRIO DE POMBAL. OUTUBRO 2014

À MEMÓRIA DE DONA CESSA: EXEMPLO A SER SEGUIDO POR TODOS NÓS...

Estimado amigo Clemildo:
Lindo e comovente o seu artigo. Sinto-me honrado por você ter incluído nele a citação do meu texto sobre saudade. Na verdade, esse carinho que você e o povo de Pombal dedicam à memória de Dona Cessa é um exemplo a ser seguido por todos nós. Pessoas como ela sempre devem ser lembradas pela sua doação à coletividade e grandeza de sentimentos.
Parabéns, amigo, e um grande abraço.
Ubiratan.

LANÇAMENTO DO LIVRO: PODER DA CIDADANIA!

LANÇAMENTO DO LIVRO: PODER DA CIDADANIA!
APRESENTAÇÃO DA CANTORA NARA CASTRO

LANÇAMENTO DO LIVRO: PODER DA CIDADANIA!

LANÇAMENTO DO LIVRO: PODER DA CIDADANIA!
COMPOSIÇÃO DA MESA. AO CENTRO O PROMOTOR DE JUSTIÇA SEVERINO COELHO VIANA AUTOR DA OBRA LITERÁRIA.

COMENTÁRIO SOBRE O ARTIGO: LINDUARTE NORONHA: "uma saudade a mais, uma esperança a menos".

Caro Clemildo,
O seu artigo em homenagem ao cineasta Linduarte Noronha, é uma página feliz não só pela lembrança da morte daquele que viria inspirar o chamado Cinema Novo no Brasil, como nos trazer um relato inédito, do escritor Solha , de suma importância histórica para a compreensão daqueles que esperavam da película "O Salário da Morte" um desfecho feliz de vingança e vitória. Para melhor entender, nos anos 70, o longa-metragem "O Salário da Morte” foi e é, um registro histórico para o cinema paraibano, em especial para Pombal, como fator de notoriedade, como o foi Aruanda para o cinema nacional, devido ter surgido numa cidade interiorana de pequeno porte. Na época, Solha, surpreendeu o mundo artístico paraibano com o seu roteiro original debaixo do braço e partiu para a capital na busca de pessoas competentes e identificadas com a arte cinematográfica para dar asas a sua imaginação, ao seu projeto. Não entenderam que estavam diante de um jovem ousado, inteligente, de idéia privilegiada, um visionário do sucesso. Aí, aconteceu o pior, cortaram a luz da película, o seu roteiro original, aquele que se dirigia para o sucesso, dando lugar a uma tentativa frustrada. Solha, vendeu tudo, casa, carro, tomou dinheiro emprestado, e nada disso o abalou. Continua forte e firme como as aroeiras e baraúnas de nosso sertão e escrevendo divinamente e colhendo os bons frutos que a História Universal da Angústia lhe conferiu e a alegria do fantástico Árkadich lhe proporciona. Assim é o Solha, impávido colosso.
Paulo Abrantes

CONFRATERNIZAÇÃO DE ANO NOVO!

CONFRATERNIZAÇÃO DE ANO NOVO!
ALMOÇO FAZENDA RAMADINHA

LANÇAMENTO DO LIVRO: PODER DA CIDADANIA!

LANÇAMENTO DO LIVRO: PODER DA CIDADANIA!
SEVERINO COELHO VIANA FAZENDO APRESENTAÇÂO DE SUA SÉTIMA OBRA LITERÁRIA.

AO IMORTAL POETA

AO IMORTAL POETA
RONALDO CUNHA LIMA

COMENTÁRIO SOBRE O TEXTO: A FESTA DO ROSÁRIO DE POMBAL OFICIALIZADA...

Parabéns, CLEMILDO, pelas suas excelentes e oportunas matérias publicadas em seu site na internet, referentes ao DIA ESTADUAL DA MÚSICA BREGA e à FESTA DO ROSÁRIO EM POMBAL, esta como você bem disse: “...EMBORA TARDE...”, mas agora instituída no calendário de eventos do Estado.
São matérias sumamente importantes para a divulgação e o fortalecimento da cultura do Estado, fazendo com que as pessoas tomem conhecimento e valorizem mais as manifestações culturais de Pombal e do Estado.
José de Sousa Dantas - Poeta e Escritor Pombalense

O ANIVERSARIANTE DE HOJE 30/06/12, COM A FAMÍLIA!

PARABÉNS CESSINHA...

PUBLICADO NO FACEBOOK POR EDMILSON PEREIRA

PUBLICADO NO FACEBOOK POR EDMILSON PEREIRA
Edmilson Pereira Silva - Aqui apareço ao lado de um grande amigo e uma referência do rádio paraibano, Clemildo Brunet de Sá

CLEMILDO ANIVERSÁRIO 1° DE AGOSTO

de Prepare-se está para Clemildo Brunet.

Parabéns!!! Este dia foi especialmente preparado pelo SENHOR; regozijemo-nos e alegremo-nos nele. (Salmos 118:24) Deus te abençoe grandemente

de Cassimiro Neto para Clemildo Brunet.

Parabéns! Hoje é mais um dia de festa. É o dia que celebramos o teu aniversário. E nesse dia festivo te cercamos de abraços e felicitações. Você é uma pessoa muito querida e por isso todos os teus amigos e parentes te desejam tudo de bom. E eu, presenteio você com essa singela homenagem. Porém repleta de todo o meu carinho. Que Deus te ilumine, todos os dias de sua vida! Abraços e FELIZ ANIVERSÁRIO!!

Cassimiro Neto.

de Elias para Clemildo Brunet.

FELIZ ANIVERSÁRIO!!

Afinal fazer aniversário é ter a chance de fazer novos amigos, ajudar mais pessoas, aprender e ensinar novas lições, vivenciar outras dores e suportar velhos problemas.

Sorrir novos motivos e chorar outros, porque, amar o próximo é dar mais amparo, rezar mais preces e agradecer mais vezes.

Fazer Aniversário é amadurecer um pouco mais e olhar a vida como uma dádiva de Deus.

É ser grato, reconhecido, forte, destemido.

É ser rima, é ser verso, é ver Deus no universo;

Parabéns a você nesse dia tão grandioso.

São os meus mais sinceros votos

Elias Mesquita

de Chagas Vitoriano para Clemildo Brunet.

Quero nesta data especial, rogar a Deus que sua vida seja plena de muitas felicidades, que a luz do Divino Redentor lhe ilumine a cada passo e que só coisas boas lhe aconteçam!!! Meus sinceros Parabéns!!!

Caro Clemildo,

Parabéns pelo seu aniversário!

Receba meus cumprimentos e os melhores votos de saúde e felicidades.

São passados 63 anos de nossas vidas, temos apenas um mês de diferença de idade. Sentamos no mesmo banco escolar da Igreja Paroquial de nossa infância querida em Pombal. Nunca duvidei que estivesse diante de um talentoso artista, pelo seu espírito irrequieto, inteligente e capaz. O tempo mostrou que ali em Pombal, residia um dos maiores radialistas do sertão. Este homem que foi agraciado com a maior condecoração da Assembléia Legislativa, a “Medalha Presidente Epitácio Pessoa” numa justa homenagem que lhe foi prestada no ano de 2010.

Quero lhe dizer neste 1º de agosto, neste alvorecer de sua nova idade, com as bênçãos de Deus, sua vida seja de paz e que seus desejos e projetos se realizem.

Com um grande abraço, do amigo de infância, Paulo Abrantes.

primo/amigo, Clemildo Sá, não poderia me furtar jamais de partilhar deste momento de alegria em sua vida, pela passagem de mais um aniversário na certeza de que você vem cumprindo sábio e fielmente com a doutrina que o Senhor lhe outorgou à ser cumprida no decorrer da sua estada neste plano de existência! Que Deus te abençoe sempre! E... FELIZ ANIVERSÁRIO!

Tiburtino Castelo Sá Gomes.

Clemildo Brunet, A equipa do Palco Principal deseja-te um feliz aniversário! Obrigado por continuares conosco. Que a música esteja sempre contigo! Parabéns!

A equipa do Palco Principal

DE VERNECK ABRANTES PARA GENIVAL TORRES

Genival Torres,

Agradecemos as suas palavras motivadoras e de alerta sobre a importância histórica de lembrar as datas marcantes da nossa cidade.

Na verdade, os 150 anos de elevação ao status de cidade, deveríamos ter estabelecido um marco dessa passagem, assim como ficou registrado a denominação do Bar Centenário quando dos 100 da nossa cidade, também nesse mesmo dia, citar o lançamento do livro do nosso Wilson Seixas: O Velho Arraial de Piranhas. Por quanto, até então, ficamos sem um marco de lembrança dos 150 anos do aniversário de Pombal. Que continue nos prestigiando com seus belos texto, onde mantemos em arquivo.

Um abraço com admiração,

Verneck Abrantes

BODAS DE OURO

BODAS DE OURO
Almir e Marlene em Natal Comemorando 50 anos de Feliz União Conjugal. Parabéns pelas Bodas de Ouro!

CHAMINÉ SESQUICENTENÁRIA

Prezado Clemildo,

Lembro aos meus ilustres conterrâneos, fui propositadamente bastante sucinto nas indicações no meu texto, Descaso ou Indiferença, para não ser prolixo. Ainda sensibilizado com a resposta do nosso ilustre escritor pombalense, Verneck Abrantes, e concordando plenamente com a sua indicação, mais ainda, e como referência para análise posteriori, caso Pombal queira deixar um marco material, paralelo, exposto à visitação pública, temos a Chaminé da Brasil Oiticica que poderia ser denominada Chaminé Sesquicentenária, como homenagem alusiva data, e de certa forma, tornando real a possibilidade de não se jogar por terra essa construção que é um marco na indústria da cidade. Transformando numa monumental peça da construção civil, um dos segmentos que fizeram, e que ajudaram a construir a história da nossa gente. Fraternal abraço a todos.

Genival Torres Dantas

CLEMILDO,

Como marco da passagem dos 150 anos da elevação de Pombal ao status de cidade, veja a ideia de Genival Torres Dantas: CHAMINÉ SESQUICENTENÁRIA. Com uma pequena praça no seu entorno e Pombal teria mais uma referência histórica e lugar para visitas turísticas, exposição de fotografias ou representações artísticas. Achei excelente o pensamento de Genival.

Um abraço,
Verneck

ENCONTRO DE POMBALENSES EM TERRA POTIGUAR.

ENCONTRO DE POMBALENSES EM TERRA POTIGUAR.
Nesta foto registro o meu encontro em terra potiguar com o conterraneo amigo e Empresário no Rio de Janeiro, Almir Almeida. Na conversa matamos saudades dos velhos tempos de nossa Pombal.

HOMENAGEM DA POETISA A CLEMILDO

HOMENAGEM DA POETISA A CLEMILDO
Mª DE LOURDES ALMEIDA PEREIRA DE ARAÚJO NA FOTO COM CLEMILDO

A PARAÍBA PERDE UM GRANDE ESTADISTA: RONALDO CUNHA LIMA!

A PARAÍBA PERDE UM GRANDE ESTADISTA: RONALDO CUNHA LIMA!

Um dos últimos políticos da Paraíba que soube honrar com altivez e destemor a prática da honestidade nos procedimentos com o erário público, esse sim, fez parte da geração onde a política era feita pelo o idealismo de servir ao povo a exemplo do Senador Ruy Carneiro e do Deputado Federal Janduhy Carneiro, assim era o poeta, ex vereador, ex- prefeito, ex-deputado estadual, ex-governador, ex senador e ex-deputado federal RONALDO CUNHA LIMA. A PARAÍBA NÃO SÓ PERDE UM POLÍTICO AUTÊNTICO, MAS UM GRANDE HOMEM QUE SOUBE REPRESENTÁ-LA MUITO BEM NO CENÁRIO NACIONAL. NOSSA SOLIDARIEDADE DE PESAR AO SENADOR CÁSSIO CUNHA LIMA, EXTENSIVO A TODA FAMÍLIA!

Clemildo Brunet - Radialista.

PARABÉNS AO AMIGO BIBIA

PARABÉNS AO AMIGO BIBIA
REGISTRAMOS COM GRANDE SATISFAÇÃO NA DATA DE HOJE 07 DE FEVEREIRO, O ANIVERSÁRIO DO AMIGO FRANCISCO FERNANDES DA SILVA, BIBIA, QUE DEUS LHE CONCEDA MUITOS E MUITOS ANOS DE VIDA E MUITAS FELICIDADES JUNTO A SUA ESPOSA CESSA E TODA FAMÍLIA. PARABÉNS E FELIZ ANIVERSÁRIO!

TWITTER X FACEBOOK

- Parabéns pelos temas enfocados através do seu BLOG. Vc é o Cara

: parabéns pelos cinco anos do seu blog. Conheço a sua garra e o seu profissionalismo. Siga em frente.

MARINGÁ - O NOME VERDADEIRO.

Graças à interferência de meu estimado amigo paraibano Clemildo Brunet, acabo de receber o livro do escritor Severino Coelho Viana "Maringá - o nome verdadeiro". Ele trás novas descobertas sobre a bela Maria do Ingá que Joubert de Carvalho resumiu para Maringá em sua composição famosa. A existência de Maria do Ingá, por algum tempo considerada pura imaginação poética,... Aos poucos ganhou contornos de realidade e já se descobriu até o verdadeiro nome dela. Já diversas vezes focalizei esse assunto em meu programa "Revivendo" e após concluir a leitura do livro voltarei a ele porque é muito interessante, especialmente para nós paranaenses que temos uma grande cidade com esse nome. Meus agradecimentos ao escritor Severino Coelho Viana e ao Clemildo Brunet.

Ubiratan Lustosa - Radialista paranaense.

7 DE SETEMBRO DE 2007

7 DE SETEMBRO DE 2007
TAYANE DEYSE- BALIZA, FILHA DO RADIALISTA E PROFESSOR CEZÁRIO DE ALMEIDA

7 DE SETEMBRO 2007

7 DE SETEMBRO 2007
PELOTÃO ESPECIAL HOMENAGEM A IMPRENSA POMBALENSE

LANÇAMENTO/AGRADECIMENTO

Estimado amigo
Clemildo Brunet:

Agradecemos pela reportagem que fez sobre o lançamento do oitavo livro de nossa autoria, intitulado de MARINGÁ – O NOME VERDADEIRO,
evento cultural realizado nas dependências do Pombal Ideal Clube.
Os Promotores de Justiça, Bertrand Asfora e Amadeus Lopes Ferreira, ficaram encantados pelo comparecimento maciço de tão seleto auditório assim como o nível cultural do povo de Pombal.
O seu artigo já repercute a nível estadual, pois a nossa caixa de e-mail está lotada, vamos lendo aos poucos.
Em nome de minha família, agrademos pela cobertura que deu ao evento. É neste caminho que Pombal deve apresentar os seus valores.
Sentimos que a cada lançamento aumenta o número de participantes, isto é uma prova inconteste do crescimento cultural de nossa terra.
Além do Blog Clemildo Brunet Comunicação, idêntica reportagem foi reproduzida no Portal Pombal e Rádio Opção.
O Caldeirão Político fez uma reportagem de todo o lançamento, através do radialista Chico Cardoso.

SEVERINO COELHO VIANA

7 DE SETEMBRO DE 2007

7 DE SETEMBRO DE 2007
HOMENAGEM AO LORD AMPLIFICADOR DE CLEMILDO BRUNET
PARA SATISFAÇÃO NOSSA E DE SEUS PAIS, REGISTRAMOS A VITÓRIA DA NOSSA COLUNISTA DO CANTINHO DA SAÚDE, DOUTORA Mª DO BOM SUCESSO LACERDA FERNANDES NETA, QUE FOI GRADUADA EM MEDICINA PELA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE CAMPINA GRANDE NESTE MÊS DE JUNHO DE 2012. CESSINHA NETA É NATURAL DE PATOS MEMBRO EFETIVO DA ACADEMIA PATOENSE DE ARTES E LETRAS (DESDE 2009). ESCRITORA E POETISA TEM PARTICIPADO DE
AMOSTRAS DE POESIA E FOTOGRAFIA E PUBLICADOS ARTIGOS RELACIONADOS A SUA ÁREA DE ATUAÇÃO, EM JORNAIS, REVISTAS E SITES HAVENDO SIDO CLASSIFICADA EM SETE CONCURSOS PÚBLICOS. A CESSINHA, NOSSOS PARABÉNS!
contato: sucessomed@hotmail.com

PELOTÃO ESPECIAL 7 DE SETEMBRO 2007

PELOTÃO ESPECIAL 7 DE SETEMBRO 2007
HOMENAGEM A IMPRENSA POMBALENSE

SOBRE HOSPITAL NAPOLEÃO LAUREANO: "JUBILEU DE OURO PELA VIDA"

Caro Clemildo,

parabéns pelo magnífico relato sobre o Hospital Napoleão Laureano, sobretudo porque você deu enfoque merecidamente, a pessoa extraordinária de Dr. Antonio Carneiro Arnaud que exprime uma personalidade de sentimentos, espiritualidade e humanismo para com os seus conterrâneos, representando um orgulho para todos nós paraibanos. Dr. Carneiro, desempenhou um importantíssimo papel na sua formação, deu asas a sua expansão, que cabe repetir a frase do Ministro Alcides Carneiro: "Esta é uma casa que por infelicidade se procura e por felicidade se encontra" Parabéns a você e a ele.
Abraço, do amigo Paulo Abrantes.

Clemildo amigo,

Gostei muito do seu artigo. Você retratou com fidelidade toda a vida não somente do Hospital Napoleão Laureano, mas também da Fundação Laureano a entidade mantenedora, da qual foi Diretor Presidente o nosso conterrâneo Dep. Janduhy Carneiro e hoje tenho a honra de ocupar a tão importante função. Muito já foi feito, mas ainda existe muito para ser feito. Em breve estaremos instalando a Ressonancia Magnética e se Deus quizer tambem o PET-Scam. Divulgue tudo no seu BLOG que é muito consultado. Abraços Carneiro Arnaud.

Amigo Clemildo:

Muito oportuna a sua evocação da figura extraordinária de Napoleão Laureano. Meus parabéns pelo seu trabalho.

Um fraternal abraço do

Ubiratan.

Berta Leticia Wanderley Clemildo,parabéns, pela sua reportágem, sobre o Laureano, está muito boa mesmo! Nós estamos precisando do número do seu celular para entrarmos em contato com você,

7 DE SETEMBRO 2007

7 DE SETEMBRO 2007
HOMENAGEM A DIFUSORA GUARANI DE MANOEL BANDEIRA!

Seguidores

DE IGNÁCIO TAVARES PARA CLEMILDO

MENSAGEM DE IGNÁCIO TAVARES EM RESPOSTA AOS MEUS AGRADECIMENTOS...

Caro Clemildo
A minha amizade com vocês, pode-se dizer, é histórica. Os amigos, Clovis e Cláudio, ambos de saudosa memória, Carlos e você sempre formaram uma amizade sem fronteiras. Quanto ao seu pai e sua mãe dona Sinhazinha, guardo boas lembranças, pois frequentava a sua casa com certa liberdade, qual fosse um membro da família, dada a minha amizade com os meninos, como carinhosamente éramos chamados por nossos pais. Seja feita a sua vontade, o texto é seu e de toda família. Abraços Ignácio

CONFRATERNIZAÇÃO DO PT

CONFRATERNIZAÇÃO DO PT
VICE PREFEITO DR. GERALDINHO E O RADIALISTA CLEMILDO BRUNET

CONFRATERNIZAÇÃO DO PT

CONFRATERNIZAÇÃO DO PT
PREFEITA POLYANA E O RADIALISTA CLEMILDO BRUNET

JORNAL "ALTO SERTÃO"

JORNAL "ALTO SERTÃO"
CIRCULANDO - ESPECIAL ANIVERSÁRIO DE POMBAL. EDIÇÃO JULHO/ 2014

JORNAL "ALTO SERTÃO"

JORNAL "ALTO SERTÃO"
EM CIRCULAÇÃO A 3ª EDIÇÃO DO JORNAL "ALTO SERTÃO" JULHO DE 2014.

JORNAL "ALTO SERTÃO"

JORNAL "ALTO SERTÃO"
EM CIRCULAÇÃO A 2ª EDIÇÃO DO JORNAL "ALTO SERTÃO" DEZEMBRO DE 2013.

EM CAJAZEIRAS: OS MELHORES DO ANO 2007

EM CAJAZEIRAS: OS MELHORES DO ANO 2007
PROF DR. JOSÉ CEZÁRIO RECEBE COMENDA DE HONRA AO MÉRITO NO "LA FIESTA" EM CAJAZEIRAS NO DIA 23-02-2008.

PRESTIGIANDO A FESTA "MELHORES DO ANO 2007"

PRESTIGIANDO A FESTA "MELHORES DO ANO 2007"
CLEMILDO RECEBE OS CUMPRIMENTOS DE SEU VELHO COMPANHEIRO DA RÁDIO ALTO PIRANHAS RADIALISTA GERALDO NASCIMENTO EM 23-02-2008 CLUB LA FIESTA EM CAJAZEIRAS.

JORNAL"ALTO SERTÃO"

JORNAL"ALTO SERTÃO"
PRIMEIRA EDIÇÃO OUTUBRO/2013

SOBRE O ARTIGO "CLEMILDO BRUNET" DE ONÉLIA QUEIROGA.

Clemildo, li o que Onélia escreveu e lacrimejei... como me lembro da bolacha peteca e do pão doce... a peteca molhada no leite e frita com manteiga de garrafa... é demais a saudade... assino embaixo tudo que ela falou sobre vc.
Maryloide Brunet

ESCRIVANINHA DE CLEMILDO

ESCRIVANINHA DE CLEMILDO
COMENDAS RECEBIDAS EM 2007

COMENTÁRIO DE MARCIA REJANE SOBRE A POSTAGEM "ZEILTO: 25 ANOS,UM EXPOENTE DA COMUNICAÇÃO"

COMENTÁRIO DE MARCIA REJANE SOBRE A POSTAGEM "ZEILTO: 25 ANOS,UM EXPOENTE DA COMUNICAÇÃO"
Caro Clemildo, confesso que é muito gratificante e emocionante ler artigos que relatam histórias do meu amado e querido pai. Obrigado por guardar com tanto carinho, lembranças do saudoso Zeilto Trajano. Ass.Marcia Rejane (A caçulinha do Zeilto) Foto com Clemildo.

GREGÓRIO DANTAS

GREGÓRIO DANTAS
HOMENAGEM PÓSTUMA

ZEILTO TRAJANO DE SOUSA

ZEILTO TRAJANO DE SOUSA
HOMENAGEM PÓSTUMA

HOMENAGEM: VISITA DE CORTESIA E ENTREGA DE TEXTO!

HOMENAGEM: VISITA DE CORTESIA E ENTREGA DE TEXTO!
Na manhã deste dia 18 de janeiro de 2010, na sede do CECAN em Natal RN, o radialista Clemildo Brunet em visita de cortesia a Secretária Geral da Instituição, Sra. Joelma Alves, fez a entrega do texto: "OS 60 ANOS DA LIGA NORTE RIO-GRANDENSE CONTRA O CÂNCER". Na oportunidade, a Secretária agradeceu e parabenizou o radialista; porém, fez uma correção no parágrafo da DEPECON; onde se ler (17 vagas de residencia médica), leia-se 08 vagas R1, admtindo ter sido um erro do site da Liga.

SÉRGIO LUCENA

SÉRGIO LUCENA
HOMENAGEM PÓSTUMA

CONGRATULAÇÕES E JUSTIFICATIVA

Ignácio:
Sem dúvida Clemildo, foi um momento histórica pra voce e todos nós pombalenses que acompanhamos todo seu trabalho, assim como a sua vitoriosa trajetória no mundo do rádio e do jornalismo. Infelizmente, como já lhe expliquei fui um ausente nesta grande festa. Mas, onde estava, numa reunião demorada e cansativa, lembrava-me a todo momento, com uma ponta de tristeza por não estar presente. Tem nada não, noutras oportunidades nos encontraremos. O que conteceu foi apenas início de uma série de manifestação de reconhecimento do seu valor como abnegado homem de comunicação,com relevantes serviços prestados a comunidade do qual é parte integrante, Abraços Ignácio Tavares.

Caro amigo Clemildo:

Em primeiro lugar, gostaria de agradecer ao amigo o convite da sessão da entrega da Medalha Epitácio Pessoa ao nobre repórter. Não pude comparecer, fato que já havia explicado a você por conta de exames de saúde que iria realizar na capital paraibana. Mas, acompanhei o desenrolar da sessão da Assembléia Legislativa, através da Rádio Liberdade FM 96,3. Gostei muito do que você falou lembrando as coisas do rádio de Pombal - PB. E naquele momento lembrei muito da campanha de prefeito do ano de 1976, embate que ficou marcado em minha memória, embora adolescente, via você na veraneio do PMDB, veículo que você mesmo denominou de amarelinho, como também do célebre comício da rua Capitão Lindolfo, mais conhecida como rua do Fogo, onde você, juntamente com José Coelho, hoje residente em São Paulo, anunciavam a presença naquele momento do grande orador e saudoso senador o Dr. Marcos Freire. Do amigo de sempre, Joaquim Candido da Silva Filho.

Postagens mais populares

Barra de vídeo

Loading...

EXCLUSIVO: ENTREVISTA DO CANTOR NILTON CESAR AO RADIALISTA CLEMILDO BRUNET

CLIQUE NO PLAY E OUÇA A ENTREVISTA.

COMENTÁRIO: A FAMÍLIA "ESPALHA" E SEUS MENESTRÉIS.

Gostaria de parabenizar o amigo professor Vieira pelo belo artigo sobre a família Espalha. Tive o prazer de conhecer um dos membros desta conceituada família o saudoso Bideca, seresteiro por ofício e boêmio por natureza. A sua ausência hoje sentida por todos que com eles conviveram me fazem refletir, "Belos tempos, Belos dias"
Adriano Fernandes

Caro Vieira, bom dia.

Somente hoje tomei conhecimento do seu artigo sobre os “Espalhas”, estava de férias e me desliguei de tudo.

Fiquei surpreso e emocionado com o artigo e a origem da palavra “espalha”, confesso que desconhecia esses detalhes.

Aquela rua em que morou Chico Espalha (por várias décadas), deveria ter o seu nome, porque ele foi um dos pioneiros dali, juntamente com meu avô “seu Otávio frandeleiro”, Euclides, Zé Branco, Julio Barbosa, e outros mais que não recordo no momento.

Infelizmente a intitularam Domingos de Medeiros, que talvez nem conhecesse o local e nem a família Espalha. Lamentável.

Agradeço em nome de todos os Espalhas em vida, e a lembrança registrada daqueles que se foram e fizeram parte do nosso convívio.

Até uma próxima oportunidade

Valdir Mendonça

AGRADECIMENTO

Meu amigo-irmão Clemildo, agradeço de todo coração os seus elogios com relação ao meu (nosso) passado pelo mundo radiofonico - principalmente em Pombal onde tudo começou.
Logo que cheguei em Cajazeiras na manhã da sexta-feira foram muitos amigos me informando da sua postagem no face book - (você tem seguidores que não acaba mais).
Também minha imensa surpreza da informação por parte da presidente da API Marcela Sintônio, o ex-presidente da nossa Associação João Pinto e vários e vários outros colegas da imprensa paraibana que foram a Cajazeiras para a festa da Reencontro e que são seus assíduos leitores-seguidores.
Por fim agradeço pelas gentis palavras dizendo; você foi generoso até demais para com esse seu discípulo.
Obrigado Irmão!!
Otacílio Trajano

CONGRATULAÇÕES / MEDALHA EPITÁCIO PESSOA.

Mary Loide Brunet:
Parabéns! Vc fez por merecer! Também fico muito feliz e honrada com a honra que lhe é reconhecida. Mary Loide.

Marcelino Neto:
Amigo Clemildo! Não pude comparecer ao seu evento maravilhoso. No entanto registrei na Espinharas de Patos o fato e acredite fiquei muito feliz pela sua conquista. Certamente entre tantos importantes nomes da radiofonia pombalense e paraibana o seu para mim é um dos maiores destaques. Um abraço professor!